Miami, 13 jul (EFE).- Um juiz dos Estados Unidos aceitou hoje adiar até 3 de agosto um julgamento contra o banco suíço UBS para que ofereça informações de seus clientes americanos, dos que se suspeita que podem ter cometido fraude tributária.

O magistrado Alan Gold divulgou sua decisão em uma breve audiência realizada hoje em um tribunal de Miami, após receber, no domingo, uma solicitação do UBS e do Governo americano para adiar o julgamento, enquanto tentam chegar a um acordo extrajudicial.

Karina Byrne, porta-voz do UBS, o principal banco da Suíça, disse à Agência Efe, ao terminar a audiência, que estavam muito satisfeitos com o adiamento e qualificou como positivo o fato de que o Governo americano esteja disposto a discutir nas próximas duas semanas e negociar uma solução para o caso.

Byrne acrescentou que o conteúdo de um provável acordo será discutido entre os Governos dos EUA e da Suíça, e o UBS não poderá fazer comentários a respeito.

As autoridades americanas pediram ao UBS revelar as informações de 52 mil clientes americanos que são suspeitos de manter contas bancárias "off shore" para evitar o pagamento de impostos.

No entanto, o Governo suíço advertiu que, se o banco oferecer essa informação, terá violado o sigilo bancário que é protegido pela legislação suíça. EFE ef/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.