Juiz decreta prisão preventiva a suspeito de chacina no México

Eduardo Pérez foi a única pessoa capturada pela polícia após enfrentamento com supostos pistoleiros em um rancho de San Fernando

iG São Paulo |

AP
Os corpos de 72 homens e mulheres supostamente mortos pelo grupo Los Zetas são vistos em rancho em cidade de San Fernando
Um juiz mexicano decretou a prisão preventiva por 40 dias para o único suspeito detido pelo homicídio descoberto na semana passada de 72 imigrantes ilegais no Estado de Tamaulipas, no norte do país, depois que sua maioridade foi confirmada.

A Procuradoria Geral da República (PGR) explicou em comunicado que, embora em um primeiro momento se pensou que o suposto envolvido, identificado como Eduardo Rico Pérez, fosse menor de idade, o suspeito "conta com pelo menos 18 anos", segundo foi possível constatar através de diversos exames médicos. A confirmação de sua maioridade permitirá seguir com o processo judicial contra ele, já que as leis mexicanas não permitem acusar menores de idade.

A prisão preventiva foi determinada por um tribunal federal com sede na Cidade do México e permitirá ao Ministério Público "obter elementos que permitam aperfeiçoar" a investigação, segundo a nota.

Pérez foi a única pessoa capturada pela Polícia mexicana após um enfrentamento com supostos pistoleiros em um rancho do município de San Fernando, no qual foram encontrados os corpos de 72 imigrantes capturados por assassinos a serviço da organização criminal.

Entre as vítimas, há hondurenhos, salvadorenhos, guatemaltecos, equatorianos e brasileiros. O equatoriano Luis Freddy Lala Pomavilla , de 18 anos, foi o único sobrevivente.

Na noite de sábado, o Ministério das Relações Exteriores brasileiro informou que as autoridades mexicanas divulgaram que foi identificado o corpo do brasileiro Juliard Aires Fernandes, de 20 anos, natural de Minas Gerais, entre as vítimas da chacina dos 72 imigrantes latino-americanos. Segundo o ministério, também foram encontrados os documentos de Hermínio Cardoso dos Santos, de 24 anos, também natural de Minas Gerais, mas seu corpo ainda não foi identificado.

*Com EFE

    Leia tudo sobre: méxicodrogastráficocrimesbrasileirosnarcotráfico

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG