Judoca brasileiro ganha bronze em luta de 23s

Em uma luta de apenas 23 segundos, o paulista Leandro Guilheiro conquistou a segunda medalha de bronze do Brasil nos Jogos Olímpicos de Pequim. A vitória de Leandro Guilheiro aconteceu no Ginásio da Universidade de Ciência e Tecnologia de Pequim, no mesmo local onde, poucos minutos antes, Ketleyn Quadros havia conquistado a primeira medalha olímpica do judô feminino do Brasil.

BBC Brasil |

Guilheiro, de 25 anos, aplicou um ippon no seu rival, o iraniano Ali Malomat, logo no começo da luta.

Com o bronze na categoria leve (até 73kg), Guilheiro se tornou o primeiro judoca brasileiro a conquistar medalhas em duas olimpíadas consecutivas. Ele havia ganhado bronze em Atenas 2004.

Lesões e cirurgias
Após a luta, Guilheiro lembrou o seu passado recente de contusões e operações.

Depois de Atenas, o brasileiro, que é natural de Suzano (SP), sofreu lesões e teve de passar por três cirurgias - no punho, no quadril e no ombro.

"Depois de tudo que eu passei nesses últimos três anos, cirurgia, lesão, um monte de problemas, chegar na medalha olímpica é um presente", disse ele, após a luta.

O judoca lembrou que sofreu com fortes dores nas costas, inclusive não conseguindo treinar durante alguns dias.

Para se focar na sua recuperação, Guilheiro conta que traz para suas lutas uma faixa com um ideograma japonês que significa "tigre".

"Eu me foquei como se fosse um tigre, porque eu tinha que vencer a cada dia", disse ele.

'Eu queria ter sido campeão'
Por conta de todos os problemas, Guilheiro não era um dos judocas listados como favoritos para ganhar medalha em Pequim. Antes da competição, os favoritos da equipe brasileira eram Tiago Camilo, que luta na terça-feira, e João Derly, que foi eliminado no final de semana.

Apesar de feliz com o bronze, o brasileiro não escondeu a frustração de não ter conquistado o ouro olímpico e disse que a luta que o tirou da disputa, contra o sul-coreano Kichun Wang, foi "uma final antecipada".

"Na verdade, eu meio que acabei fazendo uma final antecipada com o coreano. Ele foi o campeão mundial do ano passado e fez uma luta dura - foi mais uma briga do que uma luta ali", disse. "Infelizmente, ele acabou sendo melhor e acabou vencendo."
"Eu não nego que eu queria ter sido campeão olímpico."
Ele comparou o bronze de agora com o conquistado há quatro anos.

"Não é igual à de Atenas. Em Atenas era aquela coisa pela primeira vez. E agora é outro tipo de presente que você ganha."
Leandro é o único remanescente da equipe masculina de judô do Brasil em Atenas. Recentemente, ele fez um trabalho para ganhar massa muscular por ser considerado muito leve dentro de sua categoria.

Trajetória
Depois das conquistas de Ketleyn e Leandro, o Brasil possui agora 14 medalhas olímpicas no judô, sendo 13 no masculino e uma no feminino.

Na sua carreira, Leandro Guilheiro coleciona algumas conquistas, além dos dois bronzes olímpicos.

No ano passado, nos Jogos Pan-Americanos do Rio, ele conquistou a prata. Além disso, já foi terceiro colocado na Copa do Mundo de Hamburgo (2008) e na Copa do Mundo de Varsóvia (2007).

Na trajetória até o bronze, o brasileiro venceu o argentino Mariano Daniel Bertolotti na estréia, com um wazari (resultado de três punições contra o argentino) contra um yuko (por duas punições ao brasileiro).

Nas oitavas-de-final, ele derrotou o sul-africano Marlon August por ippon.

Nas quartas-de-final, depois de empate no tempo normal, perdeu para o sul-coreano Kichun Wang por um wazari na morte súbita.

Leandro entrou na segunda rodada da repescagem, quando venceu Shokir Muminov (Uzbequistão) por ippon.

Na final da repescagem, ele venceu o ucraniano Gennadii Bilodid.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG