TEERÃ - O Poder Judiciário iraniano ordenou hoje o fechamento do escritório do clérigo reformista Mehdi Karroubi, um dos candidatos derrotados que denunciou fraude nas eleições presidenciais de 12 de junho.

Segundo Ismail Moghadam, um dos assessores de Karroubi, por volta das 15h (7h30 de Brasília) agentes judiciais foram ao escritório, no norte de Teerã, e ordenaram que o candidato derrotado e seus ajudantes saíssem do lugar e o lacraram.

"Apreenderam diversos documentos, discos rígidos, computadores e gravações, ordenaram que todo mundo saísse e lacraram as portas", explicou Moghadam, citado pela agência de notícias "Ilna".

Durante a ação, também foi detido o diretor do site da plataforma Etemad-e-Melli, liderada pelo clérigo, acrescentou.

Karroubi denunciou abusos sexuais e torturas contra os detidos durante os protestos após a reeleição do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad.

O clérigo se reuniu dias atrás com membros do comitê do parlamento que investiga a revolta, aos quais teria entregado provas desses abusos.

Alguns militares, políticos e religiosos da ala mais dura do regime iraniano pediram que Karroubi seja julgado por ameaçar a segurança do país.

Cerca de 30 pessoas - segundo números oficiais - morreram e quase 4 mil foram presas durante os protestos. A oposição reformista eleva para 72 o número de vítimas fatais, número que as autoridades negam.



Leia mais sobre protestos no Irã

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.