Um movimento que começou como brincadeira está convocando jovens judeus americanos a viajarem até a Flórida para convencer seus avós a votarem no candidato democrata à presidência, Barack Obama, nas eleições de 4 de novembro. O movimento começou com um vídeo da comediante Sarah Silverman divulgado na internet e que já foi visto por milhões de pessoas.

"Se vocês soubessem que uma visita aos seus avós poderia mudar o mundo, vocês o fariam? Claro que sim. Seria estúpido não fazer", afirma Silverman no vídeo divulgado no começo de outubro.

Com o apoio do Conselho Judeu de Educação e Investigação, a chamada de Silverman acabou gerando a campanha conhecida como "A Grande Schlep", que conta com um site na internet e uma comunidade virtual em que os participantes podem contar suas experiências."Schlep" é a palavra em ídiche que significa "viagem feita com esforço".

O objetivo é convocar os jovens judeus americanos para uma "Grande Schlep" até o Estado da Flórida.

Temor por Israel
Segundo as pesquisas Obama e o republicano John McCain estão concorrendo cabeça a cabeça na Flórida, um estado tradicionalmente republicano.

Os 600 mil votos de cidadãos judeus do sul do Estado (a segunda maior comunidade do país), a maioria deles aposentados que vieram de outros Estados, poderiam fazer diferença para Obama.

A "Grande Schlep" ocorre em um contexto difícil para Obama.

Segundo analistas, muitos judeus temem que Obama poderia mudar a política dos Estados Unidos em relação a Israel - mesmo depois de o candidato ter afirmado que não fará mudanças drásticas. A história pessoal do democrata também aumenta as preocupações dos eleitores judeus.

Os fatos de o segundo nome de Obama ser Hussein, um nome muçulmano, e que parte de sua educação ter sido na Indonésia (o país com maior número de muçulmanos no mundo) não contam a favor do democrata junto aos judeus do país, de acordo com analistas.

'Provocar um sorriso'
Ari Wallach um dos organizadores do "Grande Schlep", afirmou à BBC que "esta é a eleição mais importante de nossas vidas. Queremos uma idéia que provoque um sorriso, mas gostaríamos é que as pessoas conversassem".

Na página ca campanha, os "peregrinos" podem encontrar uma lista de "assuntos" que os netos podem conversar com os avós para convencê-los a votar em Obama.

Entre eles: "a biografia de Barack Obama", "Obama ama Israel e você também", "é negro: vamos falar sobre isso" e "previdência social".

Apesar do entusiasmo dos schleppers, alguns demonstram mais cautela quanto à estratégia.

Segundo o jornal britânico The Daily Telegraph, o "Schlep" não conseguiu muitos seguidores: apenas um em cada 200 membros do grupo do "Grande Schlep" na página de relacionamentos Facebook chegou a viajar para a Flórida.

Até a própria Sarah Silverman não viajou e também não tem avós no Estado.

Além disso, os democratas não são os únicos buscando o voto judeu com iniciativas originais e na comunidade virtual.

Existem grupos de "Judeus por McCcain", blogs e comunidades na internet que tentam convencer os judeus a votarem no candidato republicano.

Em uma destas páginas, Max Broxmeyer, diretor nacional da organização Jewish Advisory Coalition, afirma que McCain demonstrou de forma consistente "um grande amor por Israel".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.