LYON, França (Reuters) - Jovens da cidade de Firminy, no sudeste da França, queimaram carros e atacaram lojas pela terceira noite consecutiva na quinta-feira em protesto pela morte de um jovem em uma delegacia de polícia. Os ataques começaram tarde da noite na quinta-feira, após cerca de 200 pessoas terem se reunido diante da casa da família de Mohamed Benmouna, morador da cidade de 21 anos que morreu na quarta-feira. De acordo com a polícia, ele morreu após uma tentativa de suicídio.

Cerca de 150 policiais antimotim, com ajuda de um helicóptero, enfrentaram os manifestantes no centro da cidade, depois que os jovens colocaram fogo em uma padaria, uma farmácia e várias lojas.

As grades de metal que protegem as lojas, e os jovens atirando pedras, dificultaram o trabalho do Corpo de Bombeiros para apagar o fogo, disseram autoridades.

A polícia afirmou que Benmouna usou as cordas de um colchão para se enforcar na noite de quarta-feira e entrou em coma, mas a família do jovem não acredita nessa versão.

Eles iniciaram um processo na Justiça na quinta-feira para esclarecer as circunstâncias da morte, mas pediram aos manifestantes que mantenham a calma.

Uma autópsia confirmou que ele morreu de sufocação e que seu corpo não mostrava sinais de violência, de acordo com a promotoria pública de Saint-Etienne, a maior cidade mais próxima de Firminy.

Nove pessoas foram presas na quarta-feira após protestos noturnos na terça-feira, quando Benmouna ainda estava vivo, mas em coma após o incidente.

(Reportagem de Catherine Legrange)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.