Jovens colonos judeus erguem enclaves na Cisjordânia

Jerusalém, 28 jul (EFE).- Jovens do movimento colonizador judaico ergueram nos últimos dias 11 enclaves rudimentares no território ocupado da Cisjordânia, justamente durante o período da visita do enviado dos Estados Unidos para o Oriente Médio, George Mitchell, à região.

EFE |

Segundo a imprensa local, centenas de membros do movimento "Jovens por Israel", pertencentes ao coletivo colono, receberam instruções para construir habitações rudimentares nas colinas da Cisjordânia.

Este movimento juvenil foi criado pouco depois da evacuação dos assentamentos judaicos da Faixa de Gaza por parte do Governo israelense em agosto de 2005, o que muitos jovens consideraram como uma demonstração de fraqueza dos líderes colonos de então.

Muitos jovens, que estão no período de férias, habitarão as estruturas levantadas nos últimos dias, que não contam com água corrente, nem eletricidade, e foram erguidas com a conivência do Exército israelense, denuncia o jornal "Ha'aretz".

As novas construções são uma resposta às pressões da Casa Branca para que Israel interrompa as atividades nos assentamentos judaicos.

Centenas de ativistas de direita e colonos convocados pelo Conselho de Assentamentos Judaicos se manifestaram na tarde de ontem em frente à residência do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, para protestar contra as pressões.

O chefe do Executivo israelense se reúne hoje em Jerusalém com o enviado dos EUA para o Oriente Médio.

O número de residentes nos assentamentos judaicos na Cisjordânia ultrapassa a casa dos 300 mil, revelou ontem o "Ha'aretz".

A Autoridade Nacional Palestina (ANP) condiciona o reatamento do processo de paz com Israel - paralisado desde o início do ano - à interrupção das atividades nas colônias judias.

Israel considera ilegais todos aqueles assentamentos, a maioria rudimentares, construídos sem a autorização do Governo após março de 2001.

Para os palestinos e a comunidade internacional, todos os assentamentos construídos em território ocupado após a Guerra dos Seis Dias, em 1967, são ilegais e representam um sério obstáculo para a paz e o estabelecimento de um futuro Estado palestino.

Existem mais de 100 enclaves ilegais na Cisjordânia, aos quais se somam 132 assentamentos reconhecidos pelo Ministério do Interior na Cisjordânia e em Jerusalém Oriente construídos desde 1967, ano em que Israel ocupou os territórios palestinos. EFE db/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG