Sankt Pölten (Áustria), 17 mar (EFE).- O austríaco Josef Fritzl escondeu novamente o rosto e se negou a falar com a imprensa no início da segunda sessão do julgamento contra ele por ter mantido a filha Elisabeth trancada durante 24 anos em um porão, nos quais abusou sexualmente dela, uma atitude que, segundo o advogado de defesa, é porque tem vergonha.

O "monstro de Amstetten" chegou à Audiência Provincial de Sankt Pölten, que tramita o processo, às 9h04 (5h04 de Brasília), escoltado por dois agentes policiais.

Assim como fez ontem na abertura do julgamento, Fritzl, de 73 anos, escondeu o rosto e se negou a responder as perguntas da única equipe de jornalistas, da televisão austríaca "ORF", que pôde ter acesso à sala por um breve momento.

Rudolf Mayer, o advogado de defesa, justificou a atitude de seu cliente: "Simplesmente, teve vergonha".

A sessão de hoje do processo que julga Fritzl pelos crimes de assassinato por omissão de socorro, escravidão e estupro, entre outros, acontecerá a portas fechadas para proteger a privacidade das vítimas.

O júri popular continuará vendo hoje o vídeo com o testemunho de Elisabeth sobre os 24 anos de encarceramento, e sua vida e a dos sete filhos que deu à luz no porão.

A morte pouco após o nascimento de um dos bebês é a base da Promotoria para acusar Fritzl de assassinato, ao entender que ele ignorou os problemas respiratórios do bebê e não permitiu o atendimento médico que poderia ter salvado o recém-nascido.

Elisabeth, que não comparecerá ao julgamento, é a única testemunha de um processo que deve ficar resolvido na quinta ou sexta-feira.

Também testemunharão quatro peritos, um neonatologista - sobre a possível responsabilidade de Fritzl na morte do bebê -, um psiquiatra - sobre o estado mental do acusado -, e dois técnicos - sobre o sistema de acesso e ventilação no porão. EFE As/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.