Jornalistas venezuelanos são agredidos por supostos chavistas

Caracas, 13 ago (EFE).- Doze jornalistas venezuelanos ficaram feridos hoje quando distribuíam panfletos a favor da liberdade de expressão em uma avenida no centro de Caracas após o ataque de um grupo de supostos partidários do Governo do presidente da Venezuela, Hugo Chávez.

EFE |

Marcos Ruiz, do jornal "Últimas Noticias", foi atacado por pelo menos quatro pessoas, que o agrediram com socos e pedaços de pau, e foi levado imediatamente para um hospital, disse à Agência Efe Gledys Pastrana, sua colega e testemunha dos fatos.

Jesús Hurtado, do jornal "El Mundo Economía", e Gabriela Irribarren, redatora do "Últimas Noticias", foram atingidos na cabeça e no rosto, respectivamente.

Os demais profissionais de imprensa foram agredidos em diversas partes do corpo, segundo o que foi relatado por Pastrana, que é jornalista do grupo editorial "Cadena Capriles".

O diretor do "Últimas Noticias", Eleazar Díaz Rangel, explicou que seis dos jornalistas feridos foram internados para tratar dos ferimentos mais graves.

Segundo ele, "presumivelmente" os agressores seriam "da televisão estatal 'Ávila TV', já que saíram de sua sede e, armados com objetos contundentes, atacaram os jornalistas".

A "Cadena Capriles" é um dos conglomerados de imprensa mais importantes da Venezuelan e publica os jornais "Últimas Noticias", "El Mundo Economía y Negócios" e o esportivo "Líder", todos em Caracas.

A estatal "Ávila TV" rejeitou em comunicado as acusações que vinculam seus funcionários às agressões a jornalistas da "Cadena Capriles".

"Desmentimos oficialmente as acusações maliciosas da imprensa privada, onde se diz que trabalhadores saíram das instalações de nosso canal para cometer atos violentos", diz a estatal na nota.

"Esse tipo de ações são totalmente contrárias ao espírito de nosso grupo de trabalhadores e ao deste canal como instituição", acrescentou. EFE gf/bba/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG