Em carta aberta divulgada na internet, mais de 60 funcionários do Kommersant repudiam a decisão do proprietário da publicação

Capa da última edição da revista Kommersant Vlast que provocou demissões na publicação
AP
Capa da última edição da revista Kommersant Vlast que provocou demissões na publicação
Os repórteres e editores de um jornal russo assinaram uma carta aberta de protesto nesta quarta-feira depois que o proprietário da publicação demitiu dois executivos por conta de uma foto que continha um xingamento ao atual premiê Vladimir Putin, informou nesta quarta-feira a rede BBC.

Leia também: Editor russo é demitido por publicar foto com xingamento a Putin

Mais de 60 funcionários do Kommersant, um jornal diário de negócios, assinaram a carta depois que o dono do jornal, o magnata Alisher Usmanov, demitiu os dois executivos.

"Nós estamos sendo compelidos a sermos covardes, o que não vale a pena e é improdutivo", afirmava a carta divulgada na internet. Usmanov disse que entendia os jornalistas, mas mantinha sua decisão.

Uma reportagem sobre a eleição parlamentar no país na revista Kommersant Vlast, que veio junto ao jornal na segunda-feira, continha uma foto de Putin diante de uma urna de votos olhando para uma cédula que continha uma mensagem obscena.

A chamada de capa da revista ainda faz um trocadilho com o nome do partido de Putin - Rússia Unida - e a prática de preencher as urnas da eleição parlamentar com cédulas falsas - o que foi alegado por alguns observadores eleitorais no dia 4 de dezembro.

Usmanov demitiu o editor da revista, Maxim Kovalsky, e o chefe da publicação, Andrei Galiyev. Demyan Kudryavtsev, chefe da Kommersant, assumiu a responsabilidade e se demitiu, dizendo em seu blog que a edição da revista havia sido publicada "em violação dos procedimentos internos, dos padrões jornalísticos e a lei russa".

Na carta, publicada no site openspace.ru, os jornalistas argumentam que as palavras obscenas na foto não eram "as palavras da revista, mas uma foto capturando o verdadeiro comportamento dos eleitores na votação".

Em defesa à integridade de Kovalsky, eles dizem: "Para nós, defendê-lo é como defender nossa própria honra e dignidade". "Nós consideramos sua demissão como um ato de intimidação que quer prevenir qualquer palavra crítica contra Vladimir Putin."

Além dos funcionários do Kommersant, jornalistas do jornal online gazeta.ru também assinaram a carta. "Eu acredito que tomei a decisão correta e não pretendo voltar atrás", disse Umanov à mídia russa. "Emocionalmente, eu posso entender o que os jornalistas estão falando. No entanto, Kommersant Vlast é uma publicação independente, respeitável e sócio-política."

Putin foi alvo de protestos na semana passada devido às supostas fraudes nas eleições parlamentares que deram pouco menos de 50% de votos ao partido do premiê - bem menos se comparado aos 64% de 2007.

Em meio a esse quadro de supostas irregularidades, o presidente da Duma, a Câmara Baixa do Parlamento russo, Boris Gryzlov, anunciou sua renúncia nesta quarta-feira. “Apesar de a lei não fixar limites, não vou mais participar da Duma por considerar incorreto ocupar o cargo de presidente por mais dois mandatos consecutivos”, afirmou Gryzlov, em Moscou.

Ele vai ser um dos candidatos nas eleições presidenciais que acontecem daqui a três meses na Rússia. Essa semana, o bilionário russo Mikhail Prokhorov afirmou que vai concorrer com Putin pelo cargo.

Com BBC e AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.