Jornalistas americanos detidos na Síria são libertados

Washington, 9 out (EFE) - Dois jornalistas americanos que desapareceram em 1º de outubro no Líbano e que foram detidos pelas autoridades sírias ao atravessar a fronteira foram libertados, informou hoje o Departamento de Estado americano.

EFE |

Holli Chmela, de 27 anos, e Taylor Luck, de 23, foram entregues à encarregada de negócios da embaixada americana em Damasco, Maura Conelly, depois que essa foi convocada ao Ministério de Exteriores sírio, segundo o porta-voz do Departamento de Estado americano, Gordon Duguid.

Os dois jovens jornalistas, que trabalham para um veículo jordaniano, "estão na embaixada americana em Damasco e se encontram aparentemente bem", afirmou.

Há uma semana, Chmela e Luck informaram a um amigo que viajariam em 1º de outubro de Beirute a Trípoli, no norte libanês, através de Byblos.

Depois tinham previsto ir andando à Síria antes de voltar à Jordânia, onde deviam se reinserir a seus postos de trabalho em 4 de outubro, segundo a embaixada dos Estados Unidos em Beirute.

Os dois saíram de seu hotel em Beirute em 30 de setembro, e desde então, estavam desaparecidos e não respondiam às ligações telefônicas a seus celulares.

Os desaparecidos trabalham para o jornal jordaniano em língua inglesa "Jordan Times", com sede em Amã.

O Ministério de Exteriores sírio deteve os dois jornalistas porque supostamente cruzaram de maneira ilegal a fronteira. EFE cae/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG