Jornalista suspeito de matar e escrever sobre os próprios crimes morre na cadeia

Um jornalista macedônio, preso sob suspeita de ter matado três mulheres, foi encontrado morto, nesta segunda-feira, na prisão da cidade de Tetovo. Segundo a polícia local, o corpo de Vlado Taneski, de 56 anos, foi encontrado afogado em uma banheira. A polícia suspeita de suicídio.

EFE |

Taneski foi preso preventivamente por 30 dias no sábado. Ele é suspeito de ter matado três mulheres, entre 55 e 70 anos, na cidade de Kicevo e, depois, ter escrito reportagens detalhadas sobre os crimes nos dois jornais em que trabalhava. Ele teria estuprado, esquartejado e depois se livrado dos corpos das vítimas.

Reuters
Jornalista é suspeito de três assassinatos
 A história do suposto "monstro de Kicevo" causou comoção na população macedônia e nos colegas de Taneski, que disseram não ter notado nada de estranho em seu comportamento.

Taneski foi preso depois que a polícia, pela análise do DNA, descobriu seu esperma em duas das vítimas.

Os policiais começaram a suspeitar dele depois de perceberem que suas reportagens sobre os assassinatos incluíam detalhes que não haviam sido oficialmente revelados.

"Vlado Taneski não admitiu nem desmentiu ser o assassino. Ele mostrou muito sangue frio durante os interrogatórios", disse a polícia de Kicevo, localizada a 130 km ao sudoeste da capital.

Segundo a polícia, ele pode ter matado outra mulher, que ainda está desaparecida.

"Vivemos juntos 31 anos, tudo parecia normal, ele nunca era agressivo, só tinha brigas freqüentes com seus pais", disse a mulher de Taneski a uma emissora de TV local.

Leia mais sobre: jornalistas

    Leia tudo sobre: jornalistas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG