Jornalista do New York Times é libertado no Afeganistão

Nova York - Stephen Farrell, jornalista britânico do New York Times que foi sequestrado no norte do Afeganistão há quatro dias, foi libertado por um comando militar, informa hoje o jornal americano.

EFE |

O intérprete afegão Sultan Munadi, que foi sequestrado junto a Farrell em um povoado ao sul de Kunduz, morreu durante a operação de resgate nesta madrugada, explica o jornal em seu site.

"Estou livre", disse Farrell em uma breve ligação telefônica ao diário pouco após ser libertado, na qual explicou que tinha sido "levado" por um comando composto por "um monte de soldados" que manteve um feroz tiroteio com seus sequestradores.

O NYT cita um jornalista afegão que falou com os habitantes do povoado e assegura que vários civis, incluídos mulheres e crianças, morreram durante o tiroteio que aconteceu para libertar o jornalista sequestrado.

O diário acrescenta que ninguém no jornal nem na família de Farrell sabia que ia acontecer uma operação militar para libertá-lo.

Em uma segunda ligação ao periódico desde Cabul, Farrell explicou alguns detalhes da operação de resgate, que aconteceu quando vários helicópteros chegaram ao lugar e "os talibãs começaram a correr".

"Pensávamos que iam nos matar", explicou o repórter, que acrescentou que ele e o tradutor saíram fora do quarto onde estavam: "Havia tiros por todas as partes. Ouvi vozes britânicas e afegãs".

Farrell explicou que ele pôde esconder-se, mas que Munadi morreu vítima das balas e que não sabia se os disparos que lhe mataram foram dos soldados ou dos talibãs.

Os dois foram sequestrados no sábado passado, quando averiguavam o bombardeio que um dia antes lançaram aviões da Otan contra dois caminhões de gasolina sequestrados pelos talibãs e que segundo algumas fontes causou pelo menos 90 mortos, muitos deles civis.

Farrell, britânico de 46 anos, cobriu as guerras do Iraque e Afeganistão, além de trabalhar no Oriente Médio e no Sul da Ásia, enquanto Munadi trabalhava habitualmente para o NYT além de outras organizações.

Leia mais sobre: Afeganistão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG