Jornal britânico diz que Partido Conservador recebe doações de empresário

Londres, 25 out (EFE).- O Partido Conservador do Reino Unido, principal da oposição, virou centro de uma polêmica, após a revelação de que um empresário britânico vinculado a um oligarca ucraniano faz grandes doações à legenda, afirmou hoje o jornal The Guardian.

EFE |

Os pagamentos realizados pela instituição do empresário chamaram a atenção da Comissão Eleitoral, encarregada de supervisionar a transparência das contribuições financeiras recebidas pelos partidos, que não estão autorizados a obter fundos de estrangeiros.

O jornal revelou hoje que a porta-voz de Segurança dos conservadores e conselheira do partido em matéria de política externa, Pauline Neville-Jones, conta com o respaldo econômico do empresário Robert Shetler-Jones, associado do multimilionário ucraniano Dmitry Firtash.

A companhia presidida por Shetler-Jones, denominada Scythian Ltd., estaria fazendo estas doações aos conservadores.

Até agora, o partido recebeu 70 mil libras (US$ 86,8 mil) do empresário, acrescenta o jornal.

Em virtude das atuais regras sobre financiamento dos partidos, nada parece ilegal, já que o dinheiro procede de um cidadão britânico e de uma companhia com sede no Reino Unido.

No entanto, a Comissão Eleitoral pediu ao Partido Conservador que esclareça a situação da empresa, pois esta aparentemente está inativa, suas contas estão atrasadas e não aparecem no registro das companhias, onde as empresas devem informar sobre suas atividades.

O "Guardian" acrescenta que, segundo os conservadores, a companhia em questão está em atividade.

As doações só são admitidas se forem dadas por uma companhia que realmente "realiza seus negócios" no Reino Unido.

"Estas doações foram declaradas à Comissão Eleitoral e são totalmente permitidas em virtude das regras. O partido recebeu confirmação de que essa companhia faz negócios no Reino Unido", disse um porta-voz dos conservadores.

Shelter-Jones negou que a empresa não exista e ressaltou que oferece apoio estratégico e financeiro a Dmitry Firtash e seu Grupo DF.

"Todas as doações foram feitas por mim ou minha companhia no Reino Unido, a Scythian Ltd., da qual sou accionista. Estas doações refletem meu apoio pessoal ao Partido Conservador e não foram feitas consultando Dmitry Firtash ou a seu pedido", disse Shelter-Jones ao jornal. EFE vg/fh/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG