Nova York, 18 nov (EFE).- O jornal The New York Times deu hoje razão ao presidente dos Estados Unidos, George W.

Bush, em um editorial no qual pede ao Congresso que aprove imediatamente o tratado de livre-comércio bilateral com a Colômbia.

O diário afirma que a situação dos direitos humanos na Colômbia melhorou e que o pacto beneficiaria, principalmente, as empresas americanas que quiserem exportar para a Colômbia.

Também ressalta a necessidade de apoiar o Governo do presidente Álvaro Uribe, a quem considera "um aliado importante em um lugar volátil da América do Sul", onde os Governos de Venezuela, Bolívia e Equador têm atritos com os EUA.

"Não dizemos isso com muita freqüência, mas o presidente Bush tem razão: o Congresso deveria aprovar o tratado com a Colômbia imediatamente", inicia o jornal.

A maioria democrata se negou até agora a aprovar o acordo, "devido a uma preocupação legítima com a situação dos direitos humanos na Colômbia e com desejos menos legítimos de fazer favores aos sindicatos ou negar a Bush uma vitória na política externa", comenta o editorial do jornal.

"Achamos que o pacto seria bom para a economia e para os trabalhadores americanos. Repeli-lo enviaria a mensagem lamentável aos aliados por todo o mundo de que os EUA são parceiro pouco fidedigno e que, por muito que diga, na realidade não acredita na abertura dos mercados ao comércio internacional", acrescenta.

O jornal, embora compartilhe "as preocupações com as violações aos direitos humanos cometidos pelo Governo de Uribe", sustenta que este conseguiu reduzir "consideravelmente" a violência no país.

"Washington tem de continuar pressionando Bogotá para reduzir os abusos cometidos pelo Exército da Colômbia, assegurar que os paramilitares sejam levados aos tribunais e frear ainda mais a violência contra os sindicalistas", afirma o editorial.

Segundo o "New York Times", "(o país) conta com um instrumento poderoso para fazer isso: os US$ 600 milhões ao ano, principalmente para Exército e luta antidroga". EFE wm/fh/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.