Amã, 5 jul (EFE).- A Polícia jordaniana dispersou centenas de manifestantes que protestavam em Amã contra a importação de produtos agrícolas provenientes de assentamentos judaicos na Cisjordânia, informaram à Agência Efe testemunhas.

O protesto foi protagonizado por sindicalistas que tentaram fazer uma manifestação contra o Ministério da Agricultura jordaniano e é o ponto alto de uma campanha iniciada pela imprensa jordaniana, sindicatos e partidos de oposição para que o Governo pare a importação de produtos israelenses.

Os responsáveis da campanha alegam que estes produtos provêm dos assentamentos judaicos na Cisjordânia, considerados ilegais pelas leis internacionais.

"Vários sindicalistas foram agredidos pela Polícia", disse aos jornalistas o diretor do comitê de Liberdade da Associação de Engenheiros da Jordânia, Maisara Malas.

O ministro da Agricultura jordaniano, Said al-Masri, disse hoje, em entrevista coletiva realizada em Amã, que seu departamento está preparando uma norma para proibir estes produtos.

"Tenho a capacidade de proibir bens agrícolas provenientes dos assentamentos judaicos, mas a decisão final de proibir a importação de produtos de Israel depende do Parlamento", afirmou.

A Jordânia assinou em 1994 um tratado de paz com Israel pelo qual eram estabelecidas relações diplomáticas plenas, medida à qual sistematicamente se mostraram contrários a oposição, liderada por partidos islamitas, e os sindicatos. EFE ajm/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.