Jordânia diz a Israel que retirada de terras árabes é única solução

Amã, 14 mai (EFE).- A Jordânia insistiu hoje em que a única via para alcançar uma paz duradoura no Oriente Médio passa pela retirada israelense dos territórios árabes ocupados, condição indispensável para chegar à solução de dois Estados, o israelense e o palestino.

EFE |

Assim deixou claro hoje o rei jordaniano, Abdullah II, ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na reunião privada que os dois líderes mantiveram na cidade jordaniana de Ácaba, na fronteira com Israel.

Netanyahu, que já tinha expressado seu interesse em visitar a Jordânia, chegou hoje de surpresa ao país vizinho, três dias depois de fazer uma viagem parecida ao Egito para se reunir com o presidente egípcio, Hosni Mubarak.

O Egito e a Jordânia são os dois únicos países da região que mantêm relações diplomáticas com Israel.

Segundo um comunicado da Casa Real jordaniana, Abdullah II, em seu encontro com Netanyahu, "insistiu em que a solução dos dois Estados, que implica na retirada israelense das terras ocupadas na guerra de 1967".

"Israel não obterá segurança e estabilidade se os palestinos não tiverem direito de se estabelecer em seu próprio Estado e de ter uma oportunidade de viver em paz", disse o monarca jordaniano ao premiê israelense, segundo o comunicado.

Netanyahu está tentando ganhar o apoio dos líderes moderados da região, mas resiste a aceitar a ideia da criação de um Estado palestino, a principal demanda dos governantes árabes.

Por outro lado, o primeiro-ministro se inclina a favor de fomentar a cooperação entre Israel e a Autoridade Nacional Palestina (ANP) para conseguir uma "paz econômica", uma opção que não parece suficiente para líderes regionais, como o monarca jordaniano.

"Qualquer conversa sobre fortalecimento econômico à margem de uma solução política que leve ao estabelecimento de um Estado independente e viável (...) será rejeitada, porque não oferece a paz e expõe a região a novos conflitos e crise", disse o rei Abdullah a Netanyahu, segundo o comunicado da Casa Real.

A nota acrescenta que o rei Abdullah também pediu a Netanyahu que pare todos os assentamentos e qualquer mudança que altere a configuração geográfica do território, e pediu para que inicie conversas com a ANP. EFE ajm-cae/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG