Jobim: Brasil só comprará caça dos EUA se houver transferência tecnológica

Washington, 4 dez (EFE) - O ministro da Defesa, Nelson Jobim, disse hoje ao secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, que o Brasil só comprará caças americanos se receber, ao mesmo tempo, tecnologia militar para aplicá-la posteriormente com fins civis. Qualquer tipo de negociação com equipamentos passa pela transferência de tecnologia. Se não há transferência de tecnologia, não há conversa, afirmou Jobim à imprensa após o encontro com Gates, que continuará sendo o secretário de Defesa no Governo de Barack Obama.

EFE |

No passado, Jobim se queixou de que os Estados Unidos colocaram empecilhos a essas transferências, como as contra o envio de peças para o modelo Super Tucano da Embraer.

O Brasil pretende renovar sua frota aérea entre 2012 e 2022, e na lista final de possíveis aquisições está o F-18 Super Hornet, fabricado pela americana Boeing.

Jobim enfatizou que "essas compras só se justificam, só são politicamente possíveis se contribuem para o desenvolvimento nacional".

Por isso, o país exige uma transferência tecnológica junto com as aeronaves, de modo que a própria indústria possa aproveitar as inovações, como fez a Embraer com contratos no passado, explicou Jobim.

A intenção do Brasil é adquirir um pequeno lote inicial do avião escolhido para depois produzir no país as unidades seguintes.

Além do F-18, os outros modelos finalistas são o Rafale, da francesa Dassault, e o Gripen, da sueca Saab.

Na visita ao Pentágono, Jobim disse a Gates que se os Estados Unidos querem mudar a visão "um pouco negativa" do país que existe na América Latina, devem rever sua política sobre Cuba.

"Ele não respondeu", disse o ministro.

Durante a campanha eleitoral, Obama prometeu que permitiria as viagens de familiares a Cuba e o envio de remessas, mas disse que não levantaria o embargo.

Jobim ressaltou que, com o novo Governo em Washington, acredita que haverá uma mudança na perspectiva dos Estados Unidos em relação à América do Sul.

O ministro afirmou que as eleições de novembro marcaram "um momento de inflexão forte nos Estados Unidos para uma presença, digamos, mais tranqüila no mundo, mais receptiva, menos impositiva".

Jobim, que chegou na quinta-feira a Washington, se reunirá amanhã com James Jones, o ex-general escolhido por Obama como Conselheiro de Segurança Nacional.

Os dois se conheceram em um jantar na Suprema Corte dos Estados Unidos quando Jobim era presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), revelou o ministro. EFE cma/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG