Gaza, 11 mai (EFE).- A facção armada palestina Jihad Islâmica disse hoje que a visita do papa Bento XVI a Israel representa um presente à ocupação e um desprezo ao sofrimento do povo palestino.

A organização palestina diz em comunicado que a viagem do papa "reflete sua cortesia com a ocupação, mostra desdém perante as feridas abertas em Jerusalém e evita o holocausto que o Exército israelense realizou na Faixa de Gaza no começo do ano".

A facção palestina, apoiada pelo Irã, lembrou que Bento XVI "provocou acesos sentimentos entre os árabes e muçulmanos" com as declarações que fez no ano 2006 sobre o profeta Mohamad (Maomé, no ocidente).

Suas palavras suscitaram protestos irados no mundo muçulmano, apesar de que Bento XVI disse ter sido "mal-interpretado".

A Jihad Islâmica afirma em seu comunicado que o pontífice "não ofereceu nenhuma desculpa franca e clara sobre essas entrevistas, o que levanta desconfiança nas intenções da Igreja Católica e suas relações com os muçulmanos". EFE sar-db/ma

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.