Japão e Alemanha vão gastar bilhões contra recessão

Por Elizabeth Piper LONDRES (Reuters) - O Japão e a Alemanha divulgaram nesta quinta-feira que vão colocar bilhões de dólares em suas economias, na expectativa de proporcionar uma garantia contra a recessão e complementar uma série de reduções de taxas de juro esperadas.

Reuters |

O Japão, segunda maior economia mundial, divulgou um pacote de medidas que inclui 5 trilhões de ienes (51 bilhões de dólares) em novos gastos governamentais para estimular sua economia e a Alemanha planeja diversas medidas, no valor de até 25 bilhões de euros (32 bilhões de dólares) para impulsionar os negócios.

"A tempestade severa, vista apenas uma vez a cada 100 anos, está se intensificando", afirmou o primeiro-ministro Taro Aso durante entrevista coletiva para divulgar o pacote.

"Sob tais circunstâncias, eu estou certo que o mais importante é eliminar as incertezas da vida das pessoas", acrescentou.

Um líder do Partido Democrata Social (SPD, na sigla em alemão) disse a um jornal que o governo planeja introduzir uma série de ações na próxima semana para estimular a economia.

"Juntos, estamos avaliando um volume, talvez entre 20 e 25 bilhões de euros", disse Peter Struck --líder parlamentar do SPD, que divide poder com a chanceler Angela Merkel, do partido conservador-- ao jornal Berliner Zeitung.

O pacote vai incluir um apoio para montadoras e ao setor de construção, assim como redução de impostos, possibilitando que as empresas possam fazer a baixa contábil de parte de seus investimentos, divulgaram jornais alemães.

REDUÇÕES DE JURO

Os temores crescentes de que o mundo esteja entrando em recessão forçaram os governos a utilizar qualquer medida para proteger suas economias.

A expectativa é de que mais quatro dos maiores bancos centrais mundiais cortem suas taxas de juro até o fim da próxima semana.

Na sexta-feira, é esperado que o Japão siga as reduções de taxa de juro realizadas pelos Estados Unidos e a China. O Banco Central Europeu (BCE), a Grã-Bretanha e a Austrália devem fazer o mesmo na semana que vem. Hungria, Taiwan, Hong Kong, Noruega e alguns países do Golfo já cortaram suas taxas.

Os Estados Unidos reduziram o patamar de juro básico para 1 por cento na quarta-feira.

Nesta quinta-feira, o governo dos EUA divulgará os dados do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre. Analistas esperam uma retração de 0,5 por cento.

As reduções de juro e a disponibilização de capital pelo Fed para Brasil, México, Coréia do Sul e Cingapura através de quatro novas linhas de swap de moedas, de 30 bilhões de dólares cada, estimulou os mercados asiáticos.

O índice Nikkei da bolsa de Tóquio fechou em alta de 10 por cento, no terceiro dia consecutivo de ganhos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG