Japão descarta fusão de núcleo em Fukushima se resfriamento continuar

"É improvável", afirmou o porta-voz do governo japonês

EFE |

Tóquio - O governo do Japão descartou nesta terça-feira uma fusão total do núcleo dos reatores de Fukushima se os trabalhos de resfriamento na usina nuclear continuarem ao ritmo atual. Em entrevista coletiva, o porta-voz do governo japonês, Yukio Edano, admitiu que ainda se desconhece até que ponto está danificado o combustível que se encontra no interior do reator 2, que pode ter sofrido uma fusão parcial do núcleo.

"Podemos dizer que pelo menos conseguimos resfriá-lo até certo grau. Se pudermos seguir com o resfriamento, (uma fusão total do núcleo) é improvável", assegurou Edano, citado pela agência local "Kyodo".

Nesta segunda-feira, a Tokyo Electric Power Company (Tepco), operadora da central, informou ter detectado água com uma elevada concentração de substâncias radioativas na unidade 2 de Fukushima, aparentemente procedente da piscina de armazenamento de combustível utilizado.

Neste sentido, a empresa admitiu pela primeira vez existir a possibilidade de as barras de combustível usado armazenadas nessa piscina também terem sofrido danos. A Tepco começou nesta terça-feira os trabalhos para drenar a água altamente radioativa que inunda o edifício de turbinas da unidade 2 e o túnel que o conecta ao reator.

Segundo a emissora pública de televisão "NHK", a operadora de Fukushima deve transferir 10 mil toneladas do líquido contaminado a uma unidade de tratamento de água nos próximos 26 dias. A presença de água com elevada radioatividade nos edifícios dos reatores de Fukushima dificulta os trabalhos dos técnicos para restaurar seu sistema de resfriamento, seriamente danificado pelo terremoto e o posterior tsunami de 11 de março.

    Leia tudo sobre: JAPÃONUCLEARFUKUSHIMARADIAÇÃOAMEAÇA

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG