Japão apresenta iniciativa para um mundo sem armas nucleares

Tóquio, 27 abr (EFE).- O Japão revelou hoje uma iniciativa para impor uma restrição global eficaz às armas nucleares com uma menção especial à China e à Coreia do Norte, depois de o presidente americano, Barack Obama, ter proposto um mundo sem armas nucleares.

EFE |

O ministro de Assuntos Exteriores, Hirofumi Nakasone, apresentou uma iniciativa com o nome de "Condições rumo ao zero: 11 pontos para o desarmamento nuclear global", na qual defende a cooperação internacional para acabar com o armamento nuclear.

No documento, o Japão pede à China para que reduza suas reservas de armas nucleares e aumente a transparência sobre seu arsenal, segundo informou a agência japonesa "Kyodo".

Nakasone deu especial ênfase à China com o objetivo de que o tema seja debatido na visita oficial de dois dias que o primeiro-ministro japonês, Taro Aso, fará a Pequim a partir da próxima quarta-feira.

"A China continua modernizando seu arsenal nuclear e não o reduziu até hoje", assegurou Nakasone, que criticou a falta de transparência de Pequim.

Um dos pontos pede a imposição global efetiva do desenvolvimento de mísseis da Coreia do Norte, após o lançamento de um foguete de longo alcance no dia 5 que poderia servir para melhorar a tecnologia armamentista do país.

Nakasone declarou "forte apoio" à proposta de Barack Obama para um mundo livre de armas nucleares e para a organização de uma cúpula mundial em no máximo um ano para prevenir o terrorismo nuclear.

Hoje, o Japão também propôs a organização de uma cúpula internacional no começo de 2010 para alcançar um compromisso sobre o desarmamento em nível global.

Entre as iniciativas propostas hoje pelo Japão se destacam o pedido de coordenação entre Estados Unidos e Rússia para chegar ao desarmamento, assim como à transparência sobre arsenais, além da proibição de testes nucleares e da produção de material para este tipo de armas.

Desta forma, o Japão, o único país que foi atacado por outro com bombas nucleares - os EUA atacaram as cidades de Hiroshima e Nagasaki ao fim da Segunda Guerra Mundial, deixando 400 mil vítimas -, apoiou a proposta da Casa Branca para um mundo sem armas nucleares.

Nakasone também pediu para que Washington ratifique o Tratado de Proibição Completa dos Testes Nucleares antes de 2010, quando está prevista uma conferência para revisá-lo.

Do mesmo modo, o chefe da diplomacia japonesa pediu a Índia, Paquistão e Israel para que se unam ao Tratado de Não-Proliferação Nuclear como "potências não nucleares".

Além disso, a proposta japonesa pede cooperação internacional para promover o uso civil da energia atômica garantindo a segurança e assegurando a não-proliferação. EFE jmr/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG