Japão anuncia desemprego recorde a dois dias das eleições

A taxa de desemprego chegou a um nível recorde de 5,7% em julho no Japão, e a deflação se agravou, anunciou nesta sexta-feira o governo, a dois dias das eleições legislativas que devem terminar com uma vitória esmagadora da oposição.

AFP |

A taxa de desemprego subiu 0,3 ponto em relação a junho, nitidamente mais que o previsto pelos economistas. Eles esperavam que a taxa fosse igual ao recorde anterior de 5,5% de abril de 2003.

Em julho, o número de desempregados na segunda economia mundial disparou 40,2% em um ano, para 3,59 milhões de indivíduos.

Ainda em julho, havia no Japão 42 ofertas de empregos para 100 demandas, o mais fraco nível já registrado. Há um ano, esta proporção era duas vezes mais elevada (89 ofertas para 100 demandas).

Atingidas pela queda brutal das exportações por causa da crise econômica, as empresas japonesas demitiram em massa nos últimos meses e o mercado de trabalho sofreu forte piora. Além disso, o emprego tornou-se mais precário: mais de um em três trabalhadores japoneses estão com contrato de trabalho temporário ou com jornadas reduzidas.

O Japão saiu, no segundo trimestre de 2009, de sua mais profunda recessão desde a 2ª Guerra Mundial, com um aumento de 0,9% de seu PIB em relação ao trimestre anterior.

Mas os economistas acreditam que as condições de emprego vão continuar ruins durante inúmeros meses, alguns prevendo ainda que passará de 6%, e que a produção e as exportações devem se manter em níveis muitos baixos.

As estatísticas sobre o emprego, os preços e o consumo, caíram em mau momento para o primeiro-ministro conservador Taro Aso, confrontado à perspectiva de uma amarga derrota nas legislativas de domingo.

Todas as pesquisas prevêem uma vitória esmagadora do Partido Democrata do Japão (PDJ) de Yukio Hatoyama, a principal força da oposição, que prometeu inúmeras medidas em favor das famílias, desempregados e pobres.

O Partido Liberal Democrata (PLD) de Aso perderá assim o poder pela primeira vez desde 1955, sem contar um breve intervalo de dez meses nos anos 1990.

"A taxa de desemprego recorde é uma má notícia para o PLD, porque a situação do emprego é um assunto ainda sensível para as pessoas ordinárias", disse Masatoshi Sato, estrategista da Mizuho Investors Securities.

si-roc/lm/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG