Jadranka Kosor torna-se premier da Croácia

O Parlamento da Croácia aprovou nesta segunda-feira a nomeação da conservadora Jadranka Kosor, a primeira mulher a ocupar o cargo de primeira-ministra neste país balcânico que aspira a entrar na União Europeia.

AFP |

O presidente da Croácia, Stipe Mesic, havia designado sexta-feira Jadranka Kosor, de 56 anos, como nova premier depois da inesperada renúncia de Ivo Sanader.

Kosor "provou que tem a maioria necessária (no Parlamento), (...) então, concedo a ela o mandato para formar um novo governo", declarou Mesic à imprensa.

"Espero do novo governo uma continuação clara e firme de uma política pró-europeia", acrescentou.

"A Croácia deve dar prosseguimento às reformas em curso e seguir lutando contra a corrupção e o crime organizado, além de continuar com sua cooperação total com o Tribunal Penal Internacional (TPI)" para a ex-Iugoslávia, afirmou Mesic.

Internamente, a Croácia está sendo golpeada pela crise internacional, com uma retração econômica de 6,7% no primeiro trimestre de 2009 em relação ao mesmo período do ano anterior, o que representa o pior resultado desde o ano 2000. A dívida externa ascendia no final de 2008 a 39 bilhões de euros.

Entre as prioridades do novo gabinete, mencionou uma revisão orçamentária para meados de julho e assegurou que faria o possível para "encontrar meios de reforçar a economia e dar continuidade às reformas".

"Provavelmente, a tarefa mais importante do Governo será encontrar uma saída para a crise e, consequentemente, ao bloqueio à entrada da Croácia na União Europeia", acrescentou, mostrando-se otimista com a ideia de suplantar o obstáculo durante a atual presidência sueca da UE.

Na quarta-feira passada, o carismático líder do partido da Comunidade Democrática Croata (HDZ), Ivo Sanader, anunciou de forma inesperada que abandonava a vida pública, demitindo-se das funções de primeiro-ministro e líder do partido.

Assegurou que, entre outras coisas, o bloqueio das negociações croatas de adesão à UE, abertas em 2005, havia contribuído para sua decisão.

A Eslovênia bloqueia as conversações desde dezembro, devido a um litígio sobre fronteiras.

cn/cll/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG