Ivan Lessa: Mitos natalinos

Papai Noel não existe. Difícil admitir, mas essa é a dura realidade.

BBC Brasil |

Tomei conhecimento do fato aos 4 anos de idade e, sou obrigado a confessar, até hoje dói.

Fui à forra, no entanto. De lá para cá, passou criança perto de mim, em qualquer época do ano, e vou logo perguntando se acredita em Papai Noel. Diante de resposta afirmativa, explico que se trata de mentira da grossa do papai e da mamãe. Quando o menino ou a menina começam a chorar, disfarço e sigo em frente com minha vida sem ilusões.

Se o leitor acreditava em Papai Noel, peço desculpas mas não se deve fugir dos fatos desta vida. Se o leitor acredita em outras coisas absurdas, tomo a liberdade de, após consultas a vários sítios da Net e leitura selecionada dos jornais britânicos, esclarecer. Seguem abaixo algumas das lendas urbanas que circulam desde a época em que inventaram Papai Noel e que nunca foram postas em dúvida. Pelo menos entre as pessoas que conheço. Friso que todos os dados abaixo enumerados são o resultado de anos a fio de pesquisa científica e nada tem a ver com minha experiência pessoal.

Às lendas e mitos:
* Não há cura para a ressaca. Essa história de aspirina e tomar muita água para compensar o álcool ingerido foi inventada por um laboratório especializado em uma variação sofisticada da aspirina em conluio com os principais fabricantes de água engarrafada e autoridades ligadas à distribuição de água da bica. A ressaca é uma variação sofisticada do porre. Ou seu prosseguimento por outros meios. A única coisa a fazer é curti-la. E dar um pontapé no cachorro da casa. Se for gato, apenas assustá-lo.

* Comer de noite engorda mais do que comer de dia. No way, José.Não há caminho, Zé. Comer engorda a qualquer hora do dia. Coma à vontade. Principalmente agora, no Natal. Para dar uma boa melhorada no peru, leitão ou presunto, que não saíram lá grande coisa, pense nas milhões de pessoas passando fome por este mundo de, dizem, Deus (um mito ou lenda a ser apreciado em outra ocasião). Sim, é uma tremenda sacanagem fazer isso com os famélicos desta Terra, mas que remédio? Nós somos humanos, apenas humanos.

* Macumba não cura câncer nem ajuda a conseguir a nomeação ou a ganhar na loteria. O sábio João Saldanha estava por dentro das coisas e sempre que perguntado dizia, "Se macumba colasse, o campeonato baiano acabava todo ano empatado."
* O corpo humano perde sua temperatura ideal, isto é, seu calor, pela cabeça. A história foi inventada pelo exército americano para ver se conseguia fazer com que os soldados não deixassem de usar seu quepe ou capacete de segurança. Os corpos humanos dos países invadidos pelo exército americano tendem a perder seu calor por todas as partes do corpo. Vide Vietnã, Iraque, Afeganistão, etc.

* É no inverno que aumenta o número de suicídios. Besteira da grossa. O fato de que o frio e os dias mais curtos levam as pessoas à depressão é pura fantasia. Dorme-se mais e melhor apenas no inverno. E ainda: os suecos preferem a primavera para ingerir formicida ou atearem fogo às vestes. Feito os húngaros e os finlandeses.

* Em consequência do dado acima relatado, podemos acrescentar, sem medo de errar, que a primavera não é a estação do amor e nem os namorados saem de braços dados colhendo flores.

* Comer muito açúcar, ou comidas muito açucaradas, torna as pessoas, principalmente as crianças, hiperativas. Chute. Puro pretexto para os pais aborrecer as vidas dos filhos, uma vez que se sentem culpados pela inexistência de Papai Noel. No que têm toda razão. Papai Noel não existe por causa deles. Comportaram-se mal desde o início dos tempos. Provaram do fruto proibido, lançaram a moda do pecado original. Agora, vingam-se nas pobres crianças inocentes. Burrinhas, é verdade, mas inocentes.

* A flor copo-de-leite (poinsettia, em inglês; e o mito, que eu saiba, só corre por aqui) é altamente tóxica. Para ser franco eu nem sabia o que era e como era uma poinsettia. Primeiro fui a um dicionário inglês-português que me informou com a maior cara de pau tratar-se "copo-de-leite". Depois fui conferir no dicionário Houaiss. Deu lá: "planta aquática da família das aráceas, de folhas sagitadas e flores em espádice amarelo, com grande espata branca, aveludada e suavemente aromática, enrolada conicamente, com bordo recurvado para fora e ligeiramente acuminado."
Co'os diabos, mas isso é uma beleza. Continuo sem conseguir visualizar a danada, mas ponho a mão no fogo por ela. Nada que seja sagitado, tenha espádice, espata e seja aveludado e suavemente aromático pode fazer qualquer espécie de mal. Fiquei com água na boca. Troco o peru de Natal lá de casa por uma boa braçada de copos-de-leite ou poinsettias. O mundo é cruel. Ao que parece poinsettia é, sempre segundo o Houaiss, "poinséttia" mesmo ou ainda "poinsétia". Sem copo, sem leite, sem espata ou espádice. Vida triste.

* Sendo o que se nos apresenta no momento, quedo-me com os votos de um Feliz Natal o menos supersticioso possível para todos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG