Ivan Lessa: Ainda os twitterismos

Andei e ando acompanhando certos twitters. Não dou o nome.

BBC Brasil |

Prefiro ficar nas sombras como um - feito se diz em brasileiro - stalker desses filmes ou séries de TV americanas. Gosto de alguma coisa. Não muita. Apenas alguma coisa.

Aprecio sobretudo (ou capote de lã, no inverno) o esforço a que a disciplina dos 140 caracteres obriga o twittador. Descubro que a humanidade - eu, ele, você - não somos tão interessantes quanto pensamos. Num mundo redondo a vida é chata. Isso é o que se descobre.

Os twittadores deveriam mentir mais. Têm mania, no entanto, de fazerem frases. Querem porque querem ser citados. Acordar, escovar os dentes, tomar café e ir para o trabalho não são, convenhamos, coisas das mais interessantes. Mesmo que você se chame Barack Hussein Obama. Nós outros queremos mais detalhes. Mais profundezas.

Por falar nisso, um jornal aqui publica uma faceciosa coluna semanal fajutando supostos e-mails do popular presidente americano. É divertido. Consta que Obama também dá suas twitteradas. Mas não consigo chegar aos seus gorjeios. Os autênticos, claro. Do admirado líder havaiano de nascimento. Ser havaiano é interessante. Ser presidente dos Estados Unidos não, sentencio eu, em dose digna de um bom twitter
E eis senão quando, conforme se dizia, chego a um ponto dos twitters que odeio. São quando aqueles 140 caracteres viram frase feita, tentativa de humor, penetras na festa das palavras. Para tentar pensamentos divertidos e inteligentes, a primeira coisa a fazer é obter permissão do Millôr Fernandes. Com humildade e pedindo a bênção.

Os gorjeios que se creem humorísticos ou profundos me lembram todos os velhos almanaques, onde os pensamentos se alternavam com as fases da lua, curiosidades, e aquela seções assim feito "Você sabia que...".

Enumero algumas tentativas de twitteradas pretensiosas que encontrei. Isso antes de ensaiar algumas de minha própria larva, ou lavra, como diria um gorjeador aspirando à graça.

Segurem:
. O sábio não precisa de conselhos e o tolo não os aceita.

. Inteligência Artificial não chega aos pés da Estupidez Natural.

. A vida é insípida quando não se tem amigos ou inimigos.

. Trabalho de equipe é nunca ser culpado sozinho por qualquer besteira que der.

. Ser matreiro é não tentar ser matreiro.

. Um amigo é aquele sujeito que tem os mesmo inimigos que nós.

. Sempre perdoar um inimigo, mas jamais esquecer seu nome.

. A paciência não é uma virtude, apenas uma perda de tempo.

. Da pressão nascem os diamantes.

. Seja útil, mas não seja usado.

Aí está minha amostragem. Puro Almanaque do Biotônico Fontoura de 1939, confere?
Alguém em algum lugar, no Brasil, de preferência, deve tentar dar um pouco mais de molho às suas empreitadas filosófico-humorísticas. Quando em dúvida, apelar para o nonsense, sempre achei, disse e pratiquei. Para procurar me manter em forma, destituído de credenciais twitturais, boto em prática meu conselho.

. Os floristas não têm Data Magna. Mesmo assim desafinam quando cantam o Hino Nacional.

. Cumbuca de uma só vara, bom caniço não dá.

. Em bolsa vazia não entra mão de descuidista.

. No escuro, todos os pardos são gatos.

. Nem tudo que balança desafia a Lei da Gravidade.

. Pissurim não se pega com retresina como isca.

. Macaco velho procura macaca brotinho para fins matrimoniais.

. Tanto foi Luiza à fonte que um dia acabou sequestrada e seviciada por quatro repugnantes indivíduos de baixa extração.

. Quando você vinha com a araruta, eu já ia de primeira classe para um fim-de-semana em Paris.

. Sim, mas e o pós-sal?
Et cetera e tal, et cetera e tal.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG