Itamaraty pode ajudar a tirar Paula da Suíça

O Itamaraty quer que a família de Paula Oliveira, que diz ter sido atacada por neonazistas na Suíça, na última semana, decida rapidamente se a brasileira deixará Zurique antes da abertura de um eventual processo penal, ou se enfrentará as investigações até o fim, mantendo sua versão.

Redação com agências |

Mas o pai da advogada, Paulo Oliveira, já deu sinais de que deseja voltar para casa o mais cedo possível. Em uma longa conversa com a família de Paula, a consulesa do Brasil em Zurique, Vitória Clever, afirmou que poderia organizar a saída de Paula antes que a investigação fosse concluída e o possível processo penal, instaurado.


Corpo de brasileira foi marcado com sigla de partido de extrema direita / AE

"Ela é uma pessoa livre, mas a decisão terá de ser da família", afirmou Vitória ao Estado. Neste domingo, a diplomata recebeu uma orientação do gabinete do chanceler Celso Amorim pedindo uma solução rápida para a crise, capaz de reduzir as consequências políticas do caso.

AE
Paula Oliveira estava grávida de 3 meses

Paula estaria grávida de 3 meses  

A segunda - e menos provável - alternativa da família da brasileira seria manter a versão inicial de Paula e enfrentar a investigação. "Temos de tirar ela (Paula) dessa tormenta", disse o pai da suposta vítima. "Não tenho por que desconfiar de sua versão."

A consulesa teme que, caso permaneça na Suíça, a família não consiga desmentir o laudo médico. Segundo Vitória, é necessário um segundo exame, dessa vez feito no Brasil. "Precisamos de um laudo que possa questionar essa perícia da polícia", disse.

Entrevista do pai

O advogado Paulo Oliveira, pai de Paula, deu uma entrevista ao programa "Fantático", da Rede Globo, neste domingo, e afirmou que a filha tem marcas das agressões por todo o corpo. "Ela tem marcas nos peitos, nas costas, nas partes íntimas, nas coxas, no pescoço e no rosto".

De acordo com o pai, a filha nunca deu sinais de nenhum distúrbio que justificaria a possibilidade levantada de autoflagelação. "Ela sempre foi uma criança equilibrada e calma. Uma moça estudiosa e equilibrada. Nunca esteve envolvida em acidentes de trânsito ou drogas.

Leia também:

Leia mais sobre brasileira atacada na Suíça

    Leia tudo sobre: paulo oliveira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG