Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Itália pede à Corte de Haia que esclareça imunidade alemã em massacre

Roma, 18 nov (EFE) - A Itália considera útil um esclarecimento do Tribunal Internacional de Justiça de Haia sobre a complexa questão da imunidade pedida pela Alemanha após uma sentença do Supremo italiano que condenou recentemente o Estado alemão a indenizar os parentes de vítimas de um massacre nazista em 1944.

EFE |

A declaração consta de uma nota conjunta divulgada hoje pelo ministro de Exteriores italiano, Franco Frattini, e o chanceler alemão, Frank Walter Steinmeier, após a cúpula realizada hoje em Trieste, Itália, pelo primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, e a chanceler alemã, Angela Merkel.

Em 21 de outubro, a Corte Suprema italiana condenou a Alemanha a indenizar em um milhão de euros alguns parentes das 203 pessoas assassinadas pelas tropas de ocupação nazista no chamado massacre da localidade de Civitella, no centro da Itália, em 29 de junho de 1944.

Imediatamente depois, o Governo alemão afirmou que se sentia avalizado pelo argumento da "imunidade jurisdicional" e apelou ao Tribunal de Haia.

Após a cúpula de Trieste, uma cidade especialmente afetada pelos nazistas, foi emitida uma nota conjunta na qual se indica que a Itália e a Alemanha "enfrentam os dolorosos eventos da Segunda Guerra Mundial".

A mensagem acrescenta que a Alemanha, junto à Itália, "reconhece plenamente o grave sofrimento infligido aos italianos, em particular, com os massacres e as detenções de soldados italianos, os quais se mantêm na memória".

A declaração ressalta que a Itália "respeita a decisão alemã de apelar ao Tribunal Internacional de Justiça para que se pronuncie sobre o princípio de imunidade do Estado" e, como país que respeita o direito internacional, espera que o pronunciamento dessa corte "esclareça uma complexa situação".

Depois do encontro, os ministros de Exteriores alemão e italiano foram ao campo de concentração local, uma antiga fábrica de arroz, para homenagear as vítimas. EFE cps/db

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG