Itália estabelece cota de 30% de estrangeiros nas salas de aula

ROMA (Reuters) - Crianças estrangeiras não vão poder ultrapassar os 30 por cento dos estudantes nas salas de aula italianas a partir de setembro, disse o governo da Itália nesta sexta-feira, em um plano atacado por críticos como racista. O governo conservador da Itália disse que está introduzindo a medida polêmica em uma tentativa de melhor integrar as crianças imigrantes na sociedade italiana e evitar que elas fiquem reunidas em guetos formados apenas por estrangeiros.

Reuters |

"A escola deve ser um lugar de integração", disse a ministra da Educação Mariastella Gelmini em comunicado. "Nossas escolas estão prontas para aceitar todas as culturas e as crianças do mundo. Ao mesmo tempo, as escolas italianas devem manter suas próprias tradições com orgulho e ensinar a cultura de nosso país".

A oposição de centro-esquerda e sindicalistas atacaram a proposta como uma medida errada, que iria apenas aumentar um sentimento de exclusão entre os imigrantes. Um líder da oposição, Antonio Di Pietro, descreveu o plano como perigoso.

"É perigoso porque atos bárbaros foram cometidos no passado em nome da proteção das espécies e da identidade nacional", disse Di Pietro.

"Estabelecer um teto de 30 por cento de estudantes estrangeiros nas salas de aula não favorece a integração, mas tem o sabor amargo do racismo".

Muitas crianças de pais imigrantes vivendo na Itália não são italianas, já que a política da cidadania favorece os ancestrais italianos sobre o local de nascimento. Há cerca 600 mil estudantes estrangeiros nas escolas italianas, 35 por cento dos quais nascidos na Itália.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG