Roma, 13 jan (EFE).- A Direção Geral para a Cooperação e o Desenvolvimento (DGCS) da Itália decidiu hoje destinar 1 milhão de euros para as agências internacionais que trabalham na ajuda às vítimas do terremoto de 7 graus na escala Richter que atingiu o Haiti na terça-feira.

Em nota à imprensa do Ministério de Assuntos Exteriores italiano, a DGCS foi ativada imediatamente após se saber o alcance da tragédia - sobre a qual, por enquanto, não há número de vítimas - para oferecer, assim, a ajuda do Governo italiano aos organismos que trabalham na área.

A quantia de 1 milhão de euros será distribuída em partes iguais para ajuda alimentar sob a supervisão do Programa Mundial de Alimentos (PMA) e para o programa de emergência da Federação Internacional da Cruz Vermelha O Ministério de Exteriores italiano, dirigido por Franco Frattini, informa também que, no avião C130 da Defesa Civil - com um hospital de campanha e uma equipe médica, que deve sair hoje para o país caribenho -, viajarão também especialistas da DGCS em catástrofes.

O Governo italiano comunicou hoje que, no momento do terremoto, havia 180 italianos registrados no Haiti como residentes e outros dez como viajantes, e que, por enquanto, não há notícias de mortos entre eles.

O Exército brasileiro confirmou que pelo menos 11 militares do país participam da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah) morreram em consequência do terremoto, enquanto pelo menos cinco militares ficaram feridos.

A brasileira Zilda Arns, fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, ligada à Igreja Católica, também morreu no terremoto. EFE mcs/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.