Itália denuncia possibilidade de tráfico de órgãos com crianças imigrantes

O ministro do Interior da Itália, Roberto Maroni, denunciou nesta sexta-feira casos de desaparecimento de crianças imigrantes, suspeitando da possibilidade de estarem ligados ao tráfico de órgãos.

AFP |

"Num total de 1.320 menores chegados em 2008 à ilha de Lampedusa (sul da Itália), evidentemente acompanhadas de uma pessoa, aproximadamente 400 desapareceram. Não temos mais nenhuma notícia delas", afirmou, citado pela agência Ansa.

"Confrontando esse dado com os informes sobre o tráfico de órgãos, que nos foram fornecidos pelos países de origem destes menores, podemos considerar que este fenômeno atinge nosso país", continuou o ministro.

"Os instrumentos à nossa disposição, hoje, não nos permitem determinar (com certeza) se o desaparecimento destes menores está ligado ao tráfico. Teremos condições de fazer isso quando Parlamento ratificar o tratado de Prüm, já adotado no Senado", disse Maroni.

Este tratado assinado em maio de 2005 entre sete Estados membros da UE, ao qual a Itália aderiu posteriormente, reforça a cooperação entre as fronteiras, para lutar contra o terrorismo, a criminalidade e a imigração ilegal. Ele prevê, entre outras coisas, a troca de dados genéticos, de impressões digitais e dados pessoais.

"A criação de um banco de dados com DNA nos permitirá levantar o código genético dos menores, recolher dados com exatidão para melhor protegê-los", concluiu Maroni.

ljm/lm/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG