Israel se nega a interromper construção de nova colônia como querem os EUA

Os Estados Unidos pediram a Israel que interrompa a construção de um novo bairro de colonização em Jerusalém Oriental, mas neste domingo o Estado hebreu se negou categoricamente a fazê-lo.

AFP |

Ao se referir ao projeto no bairro de Kheque Kharrá, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, do Partido Likud (direita), afirmou que o governo não imporá restrições aos moradores judeus em uma cidade que o Estado considera sua capital.

"Não podemos aceitar a ideia de que os judeus não terão o direito de viver ou de construir em alguma parte de Jerusalém Oriental. Não podemos aceitar essas limitações", declarou Netanyahu no início da reunião semanal do gabinete.

"Jerusalém unida é a capital do povo judeu e do Estado de Israel. Nossa soberania sobre ela é inquestionável", disse o chefe de governo, acrescentando que os habitantes palestinos podiam comprar casas em toda a cidade.

O embaixador de Israel em Washington, Michael Oren, foi convocado pelo Departamento de Estado no final da semana passada e foi informado de que esse projeto, destinado a construir moradias no lugar onde ficava localizado o antigo Hotel Shepherd, devia ser interrompido, informou à AFP um alto funcionário israelense que solicitou o anonimato.

Até o momento, os Estados Unidos não fizeram comentários sobre essa informação.

Esse projeto é desenvolvido em um lugar chamado de Karm al-Murti pelos palestinos, que anteriormente pertenceu ao grão-mufti de Jerusalém, Amin al-Huseini, e que em 1985 foi comprado pelo milionário norte-americano Irving Moskowitz.

Segundo a imprensa israelense, Moskowitz financiou em outras oportunidades projetos de colônias em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia ocupada.

A comunidade internacional considera que os bairros judeus em Jerusalém Oriental, cuja população é majoritariamente árabe, são colônias israelenses, e esta questão é um dos principais obstáculos no estagnado processo de paz para o Oriente Médio.

Israel conquistou Jerusalém Oriental da Jordânia na Guerra dos Seis Dias, em 1967, e depois anexou esse setor da cidade em uma iniciativa que não foi reconhecida pela comunidade internacional.

O Estado hebreu considera que toda a cidade de Jerusalém é a sua capital "eterna e sem divisões", e não considera que as construções em Jerusalém Oriental sejam colônias.

Já os palestinos querem que o leste de Jerusalém seja a capital do Estado que planejam criar, e se opõem energicamente a qualquer construção de assentamentos em Jerusalém Oriental, onde vivem cerca de 200.000 israelenses judeus e 268.000 palestinos.

ms-rb-na/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG