Israel responde por morte de ativista

Começa nesta quarta-feira em Israel um processo contra o governo israelense, acusado de ser responsável pela morte da ativista americana Rachel Corrie. Em 2003, aos 23 anos, Corrie passou cerca de um mês e meio documentando a ação das autoridades israelenses na Faixa de Gaza.

BBC Brasil |

Ela morreu quando filmava outros ativistas internacionais tentando interromper a demolição de casas palestinas.

AFP
Da esq. para dir.: A mãe, a irmã e o pai de Rachel comparecem ao primeiro dia do julgamento

Esq. para dir.: A mãe, a irmã e o pai de Rachel no 1º dia do julgamento


A família de Corrie alega que a moça morreu cinco minutos depois de os militares terem recebido novas ordens para não deixar os ativistas internacionais atrapalharem suas atividades.

Inquérito

Eles acusam as autoridades ainda de nunca ter feito um inquérito aprofundado sobre a morte da ativista.

Os diários de Corrie, publicados após a morte dela, e uma peça sobre a vida da jovem a transformaram em um símbolo da campanha internacional em defesa dos palestinos.

Israel afirma que em 2003 enfrentava uma onda de atentados suicidas e foi obrigado a destruir a periferia de Gaza para evitar outros ataques.

Segundo o governo do país, as ações da época foram cruciais para proteger as vidas de muitos israelenses.

Leia mais sobre Oriente Médio

    Leia tudo sobre: euaisrael

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG