Israel reduz progressivamente tropas na Faixa de Gaza

O Exército de Israel reduziu progressivamente o número de tropas na Faixa de Gaza desde o cessar-fogo de domingo. A informação foi passada por um alto funcionário do ministério da Defesa. Nesta terça-feira, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, chegou à Faixa de Gaza.

AFP |

Ban Ki-moon vestiu um colete à prova de balas com as cores da ONU e subiu em um comboio de veículos que entrou em Gaza pelo terminal de Erez, na fronteira entre Israel e o território palestino.

O secretário-geral pretende inspecionar uma escola administrada pela ONU que foi bombardeada por Israel, assim como a área de uma agência de ajuda das Nações Unidas.

Reuters
Em meio aos destroços, crianças esperam para receber água em Gaza

"Estamos reduzindo progressivamente o número de tropas na Faixa de Gaza, mas mantemos unidades em alerta no exterior, preparadas para qualquer eventualidade", declarou a fonte, que pediu anonimato.

"A aviação segue vigiando toda a Faixa de Gaza. Esperamos que o Hamas mantenha a calma depois de perceber a magnitude dos danos que tem provocado com seu comportamento", disse.

A Faixa de Gaza teve a segunda noite de calma desde o cessar-fogo que entrou em vigor no domingo, após 22 dias de incursão armada do Estado hebreu.

"A noite foi calma e não há nada a destacar", declarou à AFP a porta-voz do Exército, Avital Leibovich.

Ao ser questionada se o Exército concluiria a retirada da Faixa de Gaza antes da posse de Barack Obama como presidente dos Estados Unidos, esta terça-feira em Washington às 17h GMT (15h de Brasília), respondeu: "Até o momento ninguém falou de retirada total das tropas".

Fontes do ministério da Defesa citadas pela rádio militar afirmaram que o Hamas ainda dispõe de uma reserva de 1.200 foguetes.

Durante a operação, o Exército israelense destruiu 80% dos túneis entre o Egito e o sul da Faixa de Gaza que eram utilizados para abastecer o Hamas, sobretudo com armas.

Balanço da guerra

De acordo com o escritório palestino de estatísticas, 4.100 casas foram totalmente destruídas e mais 17.000 foram danificadas. Dez corpos foram resgatados entre os escombros nesta segunda-feira.

Mais de 1.300 palestinos morreram em três semanas, incluindo 410 crianças e 108 mulheres, e mais de 5.300 foram feridos, segundo os serviços de urgência de Gaza. Do lado israelense, morreram 10 militares e três civis.


Leia também

Vídeos

Opinião


    Leia tudo sobre: gaza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG