Israel recusa cessar-fogo de 48 horas e continuará bombardeios

JERUSALÉM - O governo de Israel recusou a proposta de um cessar-fogo de 48 horas. Segundo dirigentes israelenses, a ofensiva continuará na Faixa da Gaza. A proposta de fim temporário veio do Quarteto para a Paz no Oriente Médio, formado por Estados Unidos, União Européia, ONU e Rússia.

Redação com agências internacionais |

Depois de participar de uma reunião com seu gabinete de segurança nesta quarta-feira, o primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, disse que as atuais condições não são adequadas para uma trégua com Gaza, mas não descartou um acordo no futuro.

"Se as condições se aprimorarem, e nós acreditamos que pode haver uma solução diplomática que garanta uma realidade melhor de segurança no sul, nós vamos considerar. Mas neste momento, não há", disse Olmert, segundo um assessor.

Mais cedo um porta-voz do Ministério do Exterior chamou o projeto de irreal e acrescentou que a proposta não dava garantia de que o Hamas iria parar o lançamento de foguetes. O grupo islâmico já havia rejeitado a proposta.

Pressão internacional

Durante toda a terça-feira, a União Européia e os outros membros do Quarteto para o Oriente Médio, reunidos em Paris, apelaram por uma trégua em Gaza.

Os líderes europeus pediram ao Hamas e a Israel que cessem as ações militares para permitir o acesso de ajuda humanitária à população civil de Gaza.

Veja mais:

    Leia tudo sobre: gaza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG