Israel reabre parcialmente passagens fronteiriças com Gaza

Jerusalém, 24 nov (EFE) - Israel reabriu hoje parcialmente as passagens fronteiriças da Faixa de Gaza para permitir a entrada de ajuda humanitária, depois que os postos de controle ficaram 19 dias seguidos fechados em resposta ao disparo de foguetes a partir desse território.

EFE |

A decisão foi adotada pelo ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, e ocorre depois que o Movimento de Resistência Islâmica, o Hamas - que governa Gaza - informou no domingo que as facções palestinas concordaram em interromper o disparo de foguetes e bombas se Israel reabrisse as passagens fronteiriças.

Por enquanto, não se sabe se a medida se prolongará no tempo ou se responder a esse compromisso adquirido pelas facções armadas palestinas.

Ao longo do dia, estava prevista a entrada de 40 caminhões carregados com ajuda humanitária e alimentos básicos à faixa palestina, onde moram 1,5 milhão de pessoas, disseram à Agência Efe fontes oficiais israelenses.

"Até esta tarde, entraram em Gaza 30 caminhões e os outros dez que transportavam doações jordanianas não puderam fazê-lo, pois não tinham coordenado com suficiente antecipação sua passagem", disse à Efe Peter Lerner, porta-voz de coordenação de atividades do Governo israelense nos territórios palestinos.

O Ministério da Economia dependente do Hamas em Gaza manifestou no domingo que as autoridades israelenses informaram que a passagem fronteiriça de Kerem Shalom, ao sul da faixa, seria reaberta hoje para permitir a entrada de 45 caminhões carregados com ajuda humanitária.

"Cerca de 20 caminhões foram carregados com ajuda para a Agência da ONU para o Socorro aos Refugiados Palestinos (UNRWA) e 25 levarão comida para companhias privadas", diz uma nota do ministério.

Israel praticamente blindou as passagens industriais e fronteiriças com Gaza em 5 de novembro, pouco depois que a trégua estipulada com o Hamas graças à mediação egípcia de junho começou a ceder.

Isso ocorreu após uma ofensiva militar israelense que custou a vida de seis milicianos palestinos e que foi respondida desde a faixa com o lançamento de foguetes. EFE db/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG