Israel quer paz, mas não será feito de bobo, diz Netanyahu

JERUSALÉM - O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse nesta quinta-feira, antes de uma conversa com o enviado especial dos EUA para discutir a suspensão dos assentamentos judeus, que os israelenses farão concessões pela paz, mas que não estão prontos para fazer papel de bobo.

Reuters |

Dirigindo-se aos seguidores de seu partido direitista Likud, Netanyahu disse que vai insistir para que os colonos tenham permissão de "viver vidas normais", um eufemismo para acomodar o que ele vê como "crescimento natural" dos enclaves construídos em territórios ocupados.

Os comentários do premiê em Tel Aviv antecedem a chegada, no fim de semana, de George Mitchell, enviado de Washington, que tentará finalizar um acordo para uma possível reunião na Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU), neste mês, entre Netanyahu, o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, e o presidente norte-americano, Barack Obama.

Netanyahu, cuja recusa até o momento de interromper as atividades nos assentamentos levou a um atrito raro com Washington, disse ao brindar ao Ano Novo Judaico que os colonos são "cidadãos bons e leais de Israel e merecem viver vidas normais."

Abbas exigiu a suspensão das construções antes das conversas de paz com Israel, congeladas desde dezembro, serem retomadas. Ele citou o "mapa do caminho" de 2003, apoiado por países ocidentais, que pede a interrupção dos assentamentos e medidas por parte dos palestinos para conter a violência contra Israel.


Leia mais sobre assentamentos israelenses

    Leia tudo sobre: israeljudeunetanyahu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG