Israel quer demolir casas de palestinos que atacaram Jerusalém

Jerusalém, 4 jul (EFE) - O ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, instruiu o Exército para que inicie um requerimento destinado a derrubar as casas de dois palestinos responsáveis por ataques em Jerusalém, o último deles na quarta-feira passada.

EFE |

A ordem de Barak foi emitida depois que o assessor jurídico do Governo, Menachem Mazuz, declarou na quinta-feira que a destruição dos imóveis de terroristas é admissível de acordo com a lei israelense, informa a edição eletrônica do jornal "Ha'aretz".

Trata-se de uma medida de punição adotada no passado por Israel, principalmente contra casas das famílias de suicidas nos territórios palestinos, e condenada por organizações de direitos humanos.

Mazuz informou ao primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, e ao titular da Defesa que este tipo de atuações não tem limitação constitucional, mas sim obstáculos legais tanto localmente quanto na esfera internacional que deveriam ser levados em consideração.

As deliberações sobre a adoção da medida ocorreram depois das reivindicações feitas por políticos israelenses, entre eles o primeiro-ministro, para que se destrua a casa do palestino que, na quarta-feira passada, semeou pânico em Jerusalém com uma escavadeira com a qual matou três civis israelenses.

A aldeia de Tzur Baher, da qual provinha o autor do atentado, Hussam Duwiyat, faz parte do término municipal daquela que Israel considera sua capital indivisível.

Para os palestinos, Jerusalém Oriental é a capital de seu futuro Estado independente.

É o segundo caso este ano em que um habitante palestino da cidade ataca a parte oeste da mesma.

Em março, um residente de Jabel Mukaber, próxima a Tzur Baher, abriu fogo contra os estudantes de um colégio religioso e matou oito seminaristas judeus, pelo que também se estuda a destruição de sua casa.

Olmert insistiu na quinta-feira em que a casa dos agressores deveria ser derrubada, represália que, no passado, foi ineficaz e causou mais indignação entre os palestinos. EFE db/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG