Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Israel permitirá entrada de 60 caminhões com ajuda humanitária em Gaza

Jerusalém, 26 nov (EFE).- Israel permitirá a entrada hoje em Gaza de 60 caminhões com alimentos básicos, remédios e combustível para aliviar o bloqueio econômico à região, informou à Agência Efe o porta-voz da autoridade militar israelense nos territórios palestinos, Peter Lerner.

EFE |

Do total de veículos, 40 deles entrarão em Gaza pela passagem de Kerem Shalom, no sul, e outros 20 adentrarão a região por Karni, o principal ponto de entrada de bens comerciais, acrescentou.

Um terço dos veículos transporta ajuda humanitária de várias agências da ONU, enquanto o resto foi doado por empresas privadas.

Farinha, produtos lácteos e carne congelada são alguns dos bens que entrarão ao longo do dia em Gaza, segundo Raed Fatu, responsável da empresa privada que administra o acesso de mercadorias a esse território palestino, onde moram 1,5 milhão de pessoas.

A farinha será destinada a padarias, que não fecharam por falta de eletricidade, mas foram obrigadas a fazer a massa de pão com trigo habitualmente usado para alimentar gado.

Israel fechou ontem à tarde suas fronteiras com Gaza, após o lançamento de dois foguetes por milicianos palestinos e anunciou que continuariam bloqueadas hoje.

"Ontem à noite, a parte israelense nos disse que hoje abriria parcialmente o cruzamento de Kerem Shalom", afirmou Fatu.

Na segunda-feira, Israel também permitiu a entrada em Gaza de ajuda humanitária e produtos básicos, embora um número muito abaixo das necessidades do desabastecido território palestino governado pelo grupo islâmico xiita Hamas.

"Para atender a população, precisamos entrar em Gaza com pelo menos 15 caminhões diários, e nas últimas três semanas, nos deixaram entrar apenas com 17", declarou em entrevista coletiva em Jerusalém o vice-comissário-geral da Agência das Nações Unidas para os Refugiados Palestinos (UNRWA, em inglês), Filippo Grandi.

A única usina elétrica, que fornece energia a 25% de Gaza, não funciona há mais de dez dias por falta de combustível.

Israel fechou o acesso a Gaza pelos cruzamentos industriais e fronteiriços em 5 de novembro, quando sua trégua com o Hamas começou a ser rompida, após uma ofensiva militar israelense para destruir um túnel cavado pelo grupo islâmico, matando seis integrantes do Hamas.

Desde então, 16 milicianos palestinos morreram por fogo israelense, enquanto Israel não sofreu baixas, após o lançamento de mais de 150 foguetes do Hamas, desde o recomeço das hostilidades.

Nessas três semanas, as autoridades israelenses impediram o acesso dos jornalistas a Gaza, situação que levou a Associação da Imprensa Estrangeira em Israel a interpor um requerimento perante a Corte Suprema.

A instância máxima do Judiciário israelense deu ao Estado judeu 15 dias para responder à solicitação dos jornalistas. EFE ap/wr/jp

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG