Jerusalém, 4 ago (EFE) - O Shin Bet, serviço secreto israelense, obriga doentes palestinos de Gaza a dar informações sobre a situação na região em troca de assistência médica no Estado judeu, denunciou nesta segunda-feira a ONG Médicos pelos Direitos Humanos.

Segundo um relatório de 80 páginas do grupo, pelo menos 32 pacientes palestinos sofreram esse tipo de pressão desde que o movimento islâmico Hamas tomou o controle de Gaza, em junho de 2007.

Os doentes cuja situação médica requer tratamento em Israel figuram entre os poucos habitantes de Gaza que receberam autorização para entrar no Estado judeu, que, no último ano, exerceu um rígido bloqueio sobre a região palestina.

Porta-vozes do Shin Bet citados pela imprensa local negaram a veracidade das denúncias contidas no relatório, apesar de admitirem que os serviços de segurança interrogam os doentes de Gaza que entram em Israel para garantir que eles não fazem parte de grupos armados. EFE amg/fh/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.