Nações Unidas, 1 jun (EFE).- O ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, confirmou hoje que o Governo não cooperará com a comissão da ONU liderada pelo juiz sul-africano Richard Goldstone que investiga as violações aos direitos humanos na última ofensiva israelense ao território palestino.

"Sabendo como funcionam estas operações, não acho que Israel deva ou vá cooperar com estes interrogatórios, e digo isso apesar de o juiz Goldstone ser respeitado no mundo todo", assegurou Barak ao fim de uma reunião com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

Barak ressaltou que a comissão das Nações Unidas não poderá elaborar um relatório "equilibrado" porque o Hamas a impedirá de investigar as "ações terroristas" cometidas por militantes palestinos, entre elas o bombardeio com foguetes de localidades israelenses.

O ministro de Defesa israelense disse que, na reunião com Ban, também falaram da situação de segurança no Oriente Médio, e reiterou a solicitação de cooperação de Israel para conseguir a libertação do soldado Gilad Shalit, sequestrado em 2006.

Os membros da comissão de investigação liderada por Goldstone chegaram hoje a Gaza, após fazer a passagem pelo posto fronteiriço de Rafah, no Egito.

A missão permanecerá em território palestino cerca de uma semana e se reunirá "com todas as partes envolvidas, incluindo ONG, agências das Nações Unidas, vítimas e testemunhas de violações denunciadas, assim como com outras pessoas que possam fornecer informação relacionada com os fatos investigados", explicou a ONU.

EFE jju/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.