O presidente palestino Mahmud Abbas afirmou nesta quinta-feira que Israel não poderá viver em segurança enquanto continuar ocupando os territórios palestinos, em um discurso transmitido por rádio em ocasião da Nakba, a catástrofe que a criação em 1948 do Estado de Israel representou para seu povo.

"A segurança de Israel depende da nossa independência e de nossa segurança. A manutenção da ocupação e da 'Nakba' não trará segurança para ninguém", declarou Abbas em seu discurso.

"Só o fim da ocupação trará segurança", acrescentou.

Abbas reiterou que sua intenção é seguir adiante com as negociações com Israel, retomadas em novembro nos Estados Unidos para a obtenção de um acordo para a criação de um Estado palestino.

O presidente palestino advertiu, entretando, que se a colonização judaica continuar avançando, poderá prejudicar as conversações.

"O governo israelense deve impedir todos os projetos de colonização, sobretudo ao redor de Jerusalém (...) se não quiser perder a oportunidade que se apresenta pra nós hoje em dia" para que a paz seja alcançada, afirmou Abbas.

Cerca de 760.000 palestinos foram forçados ao êxodo durante o processo de criação do Estado de Israel, no dia 14 de maio de 1948. Israel se nega a permitir o retorno desses refugiados e de seus descendentes, que somam cerca de cinco milhões de pessoas.

Em 1967, Israel ocupou a Cisjordânia e a Faixa de Gaza, territórios onde os palestinos aceitaram criar seu futuro Estado, sem, entretanto, renunciar ao direito de retorno dos refugiados.

Os palestinos organizaram para a "Nakba", uma série de manifestações populares na Cisjordânia e na Faixa de Gaza.

str-ezz/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.