Israel: Moshé Katsav recusa acordo que o eximia da prisão

Jerusalém, 8 abr (EFE).- O ex-presidente israelense, Moshé Katsav, surpreendeu hoje ao recusar o acordo judicial que seus advogados tinham conseguido com a Promotoria para eximi-lo de dois crimes de estupro que podem levá-lo à prisão.

EFE |

"Decidi cancelar o acordo à margem dos tribunais, porque quero lutar pela minha inocência, colocar fim à perseguição e lutar pela verdade. Sei o que isso significa e estou consciente das implicações", disse Katsav à imprensa, ao sair do tribunal.

Katsav compareceu hoje a um tribunal de Jerusalém para ouvir as acusações por crimes sexuais, depois que a Corte Suprema apoiou em fevereiro o citado acordo extrajudicial que o livrava da prisão.

No entanto, o advogado do ex-presidente, Avigdor Feldman, anunciou hoje a rejeição da ocordo, por considerar que há provas a serem estudadas que também livrariam seu cliente das faltas incluídas no mesmo, como assédio sexual e intimidação.

O assessor legal do Estado, Menachem Mazuz, terá que decidir agora se acusa Katsav dos crimes de estupro, dos quais tinha sido inicialmente acusado.

O ex-chefe de Estado israelense renunciou ao cargo em junho do ano passado após o escândalo sexual. EFE ap/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG