Israel: Kadima e Likud declaram vitória em eleições

Os líderes dos dois principais partidos que disputaram as eleições parlamentares em Israel nesta terça-feira se declararam vitoriosos logo após o fechamento das urnas. Com quase todos os votos apurados, os resultados indicam que o partido da chanceler Tzipi Livni, o centrista Kadima, conseguiu uma pequena vantagem sobre o seu principal oponente, o direitista Likud, do ex-premiê Benjamin Netanyahu.

BBC Brasil |

  • Novo governo não chegará a acordo de paz, diz negociador palestino
  • Hamas diz que próximo governo israelense será mais "terrorista"

    De acordo com resultados preliminares divulgados pelo jornal Haaretz , o Kadima teria obtido 28 cadeiras do Knesset, o parlamento israelense, contra 27 do Likud.

    Isto não quer dizer, no entanto, que Livni será a próxima primeira-ministra de Israel.

    Para conseguir formar o governo é preciso ter a maioria dos 120 assentos do Parlamento, o que obrigará os dois líderes a tentar fazer acordos com os outros partidos para decidir quem será o próximo premiê.

    AFP

    Candidata da partido Kadima, Tzip Livni comemora vitória

    O terceiro partido mais votado, segundo os resultados preliminares, foi o ultranacionalista Yisrael Beitenu, do polêmico Avigdor Lieberman, a grande novidade dessas eleições.

    Se confirmados, os resultados darão um inédito quarto lugar ao Partido Trabalhista, do ministro da Defesa, Ehud Barak, uma das agremiações políticas mais tradicionais do país.

    Os resultados finais das eleições em Israel devem ser divulgados nos próximos dias.

    Após o fechamento das urnas, em um encontro com correligionários na sede do Kadima, Livni se disse pronta para liderar Israel e se declarou vitoriosa nas eleições.

    "É um dia maravilhoso para o Estado de Israel. O povo escolheu o Kadima e nós completaremos nossa missão de criar um governo de unidade sob nossa liderança. O povo de Israel vai poder sorrir de novo quando criarmos esse governo", disse.

    Livni ainda pediu que seu opositor, Benjamin Netanyahu, se juntasse ao Kadima em um governo de unidade nacional liderado por ela.

    Formação do governo

    Mas, mesmo que os resultados se confirmem, as boas votações obtidas pelos partidos de direita devem dificultar a tarefa de Livni em conseguir formar uma coalizão, segundo analistas.

    AFP
    Benjamin Nethanyahu também comemora vitória e diz que vai governar Israel

    Estes partidos pequenos, de cujo apoio Livni precisará para se tornar premiê, se opõem a algumas de suas políticas, principalmente a de oferecer terras para os palestinos em troca de paz.

    Esta situação fez com que Benjamin Netanyahu também declarasse vitória, afirmando que uma coalizão liderada pelo Likud irá governar Israel.

    "O povo de Israel falou de maneira clara. O bloco nacionalista liderado pelo Likud conseguiu uma vantagem significativa", disse.

    "Se Deus quiser, eu encabeçarei o próximo governo. Eu primeiro negociarei com nossos companheiros da direita, com quem já falei nesta noite, e começaremos amanhã as discussões para a formação do novo governo do Estado de Israel", afirmou Netanyahu em uma festa com correligionários na sede do Likud.

    Baseando-se em pesquisas de boca-de-urna, analistas afirmam que o Likud e os vários partidos nacionalistas podem ter o controle de cerca de 65 das 120 cadeiras do Knesset.

    O correspondente para assuntos diplomáticos da BBC, Jonathan Marcus, afirma que o resultado apertado pode levar a uma demora de semanas para a formação do novo governo.

    Ainda segundo Marcus, o Likud teria feito um acordo com o mais forte dos partidos religiosos, o Shas, ainda antes das eleições.

    Depois que os resultados finais saírem, o presidente Shimon Peres irá se consultar com líderes partidários para decidir quem entre eles tem a maior chance de formar um governo de coalizão. Ele, no entanto, não é obrigado a escolher o líder do maior partido.

    O escolhido terá então 42 dias para formar a coalizão. Se ele não conseguir, Peres pode pedir que outro assuma a tarefa.

    Segundo Jonathan Marcus, a decisão de quem será o primeiro a tentar formar a coalizão, Livni ou Netanyahu, dependerá da posição que o líder do partido Yisrael Beitenu, Avigdor Lieberman, passar ao presidente.

    O apoio do nacionalista Lieberman deve ser decisivo para a formação do novo governo.

    As eleições israelenses foram dominadas por questões sobre a segurança do país, logo após a ofensiva contra o grupo palestino Hamas, na Faixa de Gaza.

    Embora a Autoridade Palestina não tenha expressado preferência por nenhum candidato, um de seus principais negociadores, Saeb Erakat, se disse preocupado com os bons resultados dos partidos de direita.

    "É óbvio que os israelenses votaram para paralisar o processo de paz", disse.

    Leia também:

    • Leia tudo sobre: israel

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG