Israel isola dois povoados palestinos para evitar protestos contra muro

JERUSALÉM - O Exército israelense declarou zona militar fechada os povoados palestinos de Bilin e Nilin, onde semanalmente ocorrem protestos contra o muro de separação israelense na Cisjordânia.

EFE |

A medida, que vai vigorar até agosto, impede que, às sextas-feiras, quando ocorrem as manifestações, israelenses, palestinos e estrangeiros que não sejam moradores tenham acesso aos dois lugares entre as 8 horas e as 20 horas, disse uma porta-voz militar.

A decisão, aprovada há três semanas, aplica-se à área entre os povoados e o muro israelense, motivo dos protestos.

O objetivo do isolamento é "impedir que aqueles que incitam os distúrbios consigam ter acesso à região", destacou o Exército.

"A cada semana, são registrados distúrbios violentos e ilegais, durante os quais membros das forças de segurança acabam feridos e a cerca de segurança e a propriedade pública são danificados", acrescentou a porta-voz.

Bilin e Nilin viraram símbolos da resistência palestina contra a barreira israelense, que, na maior parte de seu traçado, é um alambrado. Em sua passagem pelos núcleos urbanos, porém, vira um muro de concreto de até oito metros de altura.

Há cinco anos, ambas as localidades promovem manifestações semanais contra o muro, que corta suas terras em benefício de colônias judaicas próximas.

Leia mais sobre Oriente Médio

    Leia tudo sobre: israelmuro da cisjordâniapalestinos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG