Israel impede diretor de ONG palestina de receber prêmio na Holanda

Jerusalém, 5 mar (EFE).- Israel está impedindo o diretor-geral da ONG palestina Al Haq, Shawan Jabarin, de viajar para a Holanda para receber a medalha Geuzen no dia 13, afirmam dez organizações israelenses pró-direitos humanos.

EFE |

Hoje, Jabarin participou da primeira audiência com a Suprema Corte de Israel, à qual recorreu com a esperança de que seja retirada a proibição contra si de viajar antes da cerimônia de entrega do prêmio.

O serviço secreto de segurança interior de Israel, o Shin Bet, justifica o veto à liberdade de movimentos do diretor da Al Haq com o argumento de que pertence à Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP), incluído na lista de organizações terroristas.

"Não sou um ativista da FPLP (...). Durante os últimos 22 anos, o Shin Bet argumenta que sou membro ativo da FPLP. Durante todo esse tempo, nunca fui julgado por isso, nem obviamente tive a oportunidade de me defender da acusação", afirmou Jabarin na edição de hoje do jornal "Ha'aretz".

"Suas provas são secretas, confidenciais e ocultas para mim e meus advogados", acrescentou.

As dez ONGs israelenses que criticam a proibição destacam ainda que o diretor da Al Haq recebeu permissão para sair da Cisjordânia em oito ocasiões entre 1999 e 2006, mas que, desde que foi nomeado para liderar a entidade palestina, nunca pôde viajar ao exterior.

A medalha será entregue este ano à Al Haq e à ONG israelense de direitos humanos B'Tselem em cerimônia na cidade de Vlaardingen, à qual deve assistir a família real holandesa.

A decisão de Israel causou tensão às relações com a Holanda e foi abordada em "alto nível" entre suas respectivas diplomacias, precisa a "Ha'aretz". EFE ap/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG