Israel fecha rampa de acesso à Esplanada das Mesquitas

Precária ponte se tornou motivo de tensões entre Israel, palestinos e Jordânia, que supervisiona lugares sagrados de Jerusalém

iG São Paulo |

A Prefeitura de Jerusalém determinou o fechamento de uma rampa provisória que dá acesso à Esplanada das Mesquitas, conhecida pelos judeus como Monte do Templo, um dos santuários mais disputados pelo conflito israelo-palestino.

AP
Foto de 08/12 mostra rampa de pedestres conhecida como Ponte de Mughrabi (D) que dá acesso à Esplanada das Mesquitas, conhecida pelos judeus como Monte do Templo
O engenheiro municipal Shlomo Eshkol informou sua intenção às autoridades em uma carta divulgada nesta quinta-feira pelo gabinete do prefeito de Jerusalém, na qual explicou que a rampa conhecida como Ponte Mughrabi foi fechada pelos riscos que oferece à segurança por causa de seu precário estado de conservação.

O grupo islâmico Hamas, que controla a Faixa de Gaza, reagiu à decisão afirmando que é uma "declaração de guerra contra os lugares santos muçulmanos". Já a Autoridade Nacional Palestina (ANP) condenou a "escalada israelense" que "mina os esforços internacionais" que tentam "ressuscitar o processo de paz".

A rampa de madeira que dá acesso à Mesquita de Al-Aqsa, à Esplanada das Mesquitas e ao Domo da Rocha, terceiro local sagrado na hierarquia do Islã, fica na mesma plataforma venerada pelos judeus por ser o lugar onde estavam os templos bíblicos de Jerusalém.

A rampa foi construída provisoriamente após a antiga ponte ser destruída por uma nevasca e um terremoto em 2004. Desde então, as autoridades tentaram erguer uma rampa permanente, o que causou um conflito com os palestinos e o mundo islâmico, que acusam Israel de danificar os alicerces da Mesquita de Al-Aqsa.

O comunicado divulgado nesta quinta-feira indica que o acesso à rampa só será autorizado aos agentes de segurança em casos de urgência e após consultarem os engenheiros municipais. No mês passado, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, adiou no último momento um projeto para iniciar a reconstrução da nova ponte por temer que a medida causasse conflitos com os dois vizinhos árabes com os quais mantém importantes acordos de paz, o Egito e a Jordânia.

A precária ponte se tornou motivo de tensões entre Israel, a ANP e a Jordânia, que possui o status de supervisor dos lugares sagrados de Jerusalém por meio de um acordo de paz com o Estado judeu, com especial ênfase na Esplanada das Mesquitas.

O prefeito de Jerusalém, Nir Barkat, havia ordenado a demolição da rampa por considerar que o local não era seguro e para autorizar a construção de uma nova passagem temporária que desse acesso ao santuário muçulmano.

Construções na Cisjordânia

Israel deu a aprovação final para a construção de mais 40 casas em um assentamento na Cisjordânia ocupada para substituir estruturas temporárias, disse nesta segunda-feira a direção do conselho dos colonos. As conversações de paz estão estancadas há mais de um ano por causa de divergências sobre a construção de assentamentos israelenses na Cisjordânia.

"As licitações foram abertas esta semana depois que o ministro da Defesa israelense, Ehud Barak, assinou os planos de construção", disse à Reuters o presidente do Conselho Efrat, Oded Revivi. Um comunicado do Ministério da Defesa confirmou a publicação das licitações para a construção de mais 40 casas depois que Barak aprovou os planos" alguns meses atrás".

*Com EFE, AFP e Reuters

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG