Israel: favorito para eleições diz que ofensiva acabou cedo demais

Jerusalém, 4 fev (EFE).- O líder da oposição conservadora e favorito nas eleições da próxima semana em Israel, Benjamin Netanyahu, declarou hoje que a ofensiva israelense na Faixa de Gaza acabou cedo demais.

EFE |

"O Governo não permitiu aos militares tapar o buraco no sul", disse Netanyahu, para quem o Exército israelense não teve tempo suficiente para completar todos os seus objetivos no território palestino.

Cerca de 1.400 palestinos morreram e mais de 5.000 ficaram feridos nos 22 dias da ofensiva em Gaza, que terminou em 18 de janeiro com um precário cessar-fogo.

Netanyahu também aproveitou a ocasião para acusar o movimento islamita Hamas de receber o respaldo do Irã, e defendeu uma ação para acabar com seu Governo em Gaza.

"Não resta outra opção a não ser arrancar pela raiz o regime pró-iraniano de Gaza", afirmou o líder do partido conservador Likud.

Netanyahu desponta como o próximo primeiro-ministro israelense, depois de quase todas as pesquisas terem indicado o Likud como o vencedor do pleito da próxima terça-feira.

Conhecido por sua intransigência em relação às reivindicações palestinas, Netanyahu não contempla em seu discurso público a criação de um Estado palestino.

O líder do Likud é defensor da promoção de "relações comerciais" entre Israel e os palestinos, como alternativa à postura de Livni de negociar com a Autoridade Nacional Palestina (ANP), do moderado Mahmoud Abbas, a criação de um Estado na Cisjordânia, Gaza e Jerusalém Oriental. EFE amg/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG