Israel esteve a ponto de capturar Mengele em 1960 na Argentina

O Mossad, o serviço secreto israelense, cancelou de última hora em 1960 uma operação para capturar o médico nazista alemão Josef Mengele, o chamado Anjo da Morte quando se encontrava foragido na Argentina, assegurou nesta segunda-feira um ex-chefe dessa central de inteligência.

AFP |

O Mossad encontrou pistas de Mengele enquanto vigiava em Buenos Aires Adolf Eichman, um dos idealizadores da "Solução Final" para os judeus, informou à AFP o ministro israelense da Previdência, Rafi Eitan.

Os agentes do Mossad, dirigidos por Rafi Eitan (hoje com 82 anos) confirmaram a identidade de Mengele - que vivia com um nome falso -, o fotografaram e conseguiram seu endereço.

Mengele fez experiências médicas particularmente sádicas com judeus e ciganos do campo de extermínio de Auschwitz e participou na seleção de milhares de enviados para as câmaras de gás durante a Segunda Guerra Mundial.

No fim do conflito, fugiu para a América Latina.

Alguns dias antes da captura de Eichman, em maio de 1960 - ele foi julgado e capturado em maio de 1962, em Israel -, o então chefe do Mossad, Isar Harel, cancelou a realização do plano de captura do "Anjo da Morte" por temer que colocaria em perigo a operação contra Eichman.

Isar Harel decidiu deter Mengele depois de capturar Eichman, mas teve que desistir do plano.

"Voltei à Argentina depois da captura de Eichman, mas Mengele já não estava em Buenos Aires e perdemos sua pista. Procuramos por ele no Brasil e no Paraguai, onde, inclusive, chegamos a localizá-lo, mas nunca conseguimos capturá-lo", contou Rafi Eitan.

Mengele morreu no Brasil em 1979. Os testes de DNA realizados em seus filhos em 1992 confirmaram sua identidade.

rb-chw/cn/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG