Israel espera que Irã não tenha apoio nuclear na América do Sul

Nações Unidas, 2 jun (EFE).- Israel espera que o Irã não encontre na América do Sul países, como Venezuela e Bolívia, dispostos a ajudar em seu desejo de adquirir armamento nuclear, disse hoje o vice-primeiro-ministro israelense, Silvan Shalom.

EFE |

Shalom lembrou que já são conhecidas as boas relações mantidas entre os presidentes iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, e o venezuelano, Hugo Chávez.

"Certamente nos preocupam todos aqueles que entabulam relações com o Irã e espero que os países sul-americanos não desempenhem o papel de ajudantes dos iranianos no desenvolvimento de uma bomba nuclear", disse o vice-premiê israelense em encontro com a imprensa na ONU.

Um relatório secreto do Ministério de Assuntos Exteriores divulgado em 26 de maio na imprensa israelense acusou Venezuela e Bolívia de vender urânio para o programa nuclear iraniano.

O programa nuclear do Irã é um dos assuntos que Shalom comentou na reunião que teve hoje com o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon.

O vice-primeiro-ministro israelense disse que transmitiu ao secretário-geral da ONU a preocupação de seu Governo com a possibilidade de a República Islâmica se encontrar perto de conseguir um arsenal nuclear.

Segundo ele, Israel considera que as sanções internacionais que pesam sobre o Irã são "suaves demais" para forçar uma mudança de atitude em Teerã.

"Um Irã com armas nucleares é um conceito com o qual não podemos conviver", afirmou.

Shalom também reiterou a vontade de Israel de prosseguir no processo de paz com o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, apesar de ter evitado esclarecer se o Governo Benjamin Netanyahu apoia a solução de dois Estados para o conflito.

"Acho que o que dissemos até agora é suficiente", assinalou o vice-primeiro-ministro, em referência à promessa expressada pelo Governo o israelense. EFE jju/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG